segunda-feira, 5 de março de 2018

Memórias em vinil (CCCL)




E enquanto a chuva cai e o vento sopra forte, o melhor é ouvir Bob Dylan.
Tenham uma boa noite e uma excelente semana.

O Jardim da Celeste



Sinceramente, parece-me que o Jardim da Celeste, perdão, da Cláudia, é uma pepineira, com uma letra a explorar a necrofilia e uma musiquinha foleirota.  O importante era que ganhasse uma menina, por causa daquelas coisas do género e das quotas e não sei quê, por isso, o Festival já cumpriu a sua tarefa.
Ninguém estava à espera que Portugal  ganhasse o Eurofestival este ano outra vez, pois não?
Então siga a rusga e não se fala mais nisso.
Ou melhor...antes de encerrar o assunto, sublinhe-se que já tínhamos uma cantora (Ana) Bacalhau, de marca branca, mas o Festival da Canção revelou-nos uma  outra (Cláudia) que é Bacalhau com marca registada (Pascoal). E isso também é um upgrade digno de registo.

Time's up

Rita Hayek na noite dos Óscares
Palavras para quê?

Sem surpresas




A noite de ontem não trouxe surpresas
Nas eleições em Itália ganhou o 5 Estrelas mas quem vai governar é a coligação de direita. A instabilidade política em Itália segue dentro de momentos, coisa a que já todos estamos habituados. A extrema direita continua a ganhar espaço, mas a Europa continua a assobiar para o lado e toda a gente está muito feliz porque a Alemanha conseguiu  formar um governo de coligação. 
Do outro lado do Atlântico, em Hollywood, também não houve surpresa. Os Óscares para  melhor filme ( A Forma da Água) , melhor realizador (Guillermo del Toro)  melhor actriz (Frances Mc Dormand) e melhor actor ( Gary Oldman) foram entregues de acordo com o guião previsto.
E para que tudo corresse  com a sensaboria prevista, não faltou o vestidinho preto e a perna ao léu até à cintura, para protestar contra o assédio sexual.
Este mundo está a ficar cada vez mais previsível. A guerra comercial lançada por Trump desencadeará uma escalada de convulsões sociais um pouco por todo o mundo. As guerras começam sempre assim e Trump está danadinho por ficar ligado à História, por ter desencadeado mais um conflito à escala global, onde aparecerá como vítima da incompreensão do mundo inteiro.
Andam a esticar a corda há oito anos, um dia ela rebenta. Talvez fique por cá alguém para contar como foi e começar tudo de novo.
Tenham uma excelente semana.