quinta-feira, 3 de maio de 2018

Não incendeiem o Paraíso




Aviso prévio: Sei que o turismo de massas é uma praga que está a destruir muitas preciosidades  do património Natural e construído, mas não embarco na onda dos que desprezam o turismo e olham para os turistas como invasores.
Feito o esclarecimento, vamos ao que interessa
Quando tinha casa no Gerês ia muitas vezes a Sistelo, uma pequena aldeia nos arredores de Arcos de Valdevez. Agradava-me sobretudo a  paz que ali se vivia e o calor dos seus habitantes, que me faziam sentir como se estivesse em casa.
Mais tarde, quando estava em Tomar, descobri a maravilhosa aldeia de Dornes, a mítica terra dos Templários, que igualmente me encantou e muitas vezes me serviu de refúgio para reflectir e escrever.
Acabo de saber que Sistelo está a ser invadido por hordas de turistas que ameaçam a sua pacatez e a sua identidade.
Há tempos, Dornes foi eleita uma das Aldeias Maravilha de Portugal. Sei que há vários  projectos turísticos para lá  ( que poderão vir a ser aprovados) e um outro de cariz espiritual  que terá mais a ver com as origens de Dornes e poderá preservar a aldeia  dos Templários, mas corre o risco de não avançar.
Espero que a febre do turismo não contribua para delapidar algumas das nossas pérolas, que são verdadeiros paraísos na terra.

2 comentários:

  1. Não sou contra o turismo, mas muito pouco do que existe em Portugal está preparado para as avalanches.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diria mesmo que o País não está preparado para tanto turismo. Ano passado, em setembro, andei por Trás os Montes e Beiras e fiquei espantado com o crescimento turístico naquela zona , mas as infra estruturas não estão preparadas para o turismo de massas. E, cá para nós, espero que nunca cheguem a estar...

      Eliminar