quinta-feira, 17 de maio de 2018

As intermitências de Renato

Renato Sampaio, presidente da concelhia do Porto do PS,  admite abandonar a política no final da legislatura. A "ameaça" surge na sequência de um post da sua senhoria no FB, em que o acusa de não pagar com regularidade as rendas da casa onde viveu durante mais de 40 anos e de ter deixado o apartamento em estado de degradação deplorável.
Não sei se a senhoria tem razão.   Socorro-me , porém, das palavras de um dirigente nacional do PS  durante um debate sobre rendas na AR:
"Qual a legitimidade de RS para falar em nome do PS sobre habitação, quando é acusado de não pagar uma renda de 180€? "
Não precisava deste exemplo para sustentar a tese de que Renato Sampaio está a mais na política. Bastava-me lembrar que  veio para a política  há 20 anos pela mão de Sócrates.
Nunca falei  com  Renato Sampaio, mas ouvi muitas das conversas que mantinha em tom propositadamente  audível com um grupo de "camaradas" que se costumavam reunir no Barril, um bar perto da casa onde ele vivia, nas Antas. O suficiente para perceber que está a mais na política e a sua saída deve ser saudada e incentivada pelo PS.
Já que o homem não sai já, pelo próprio pé, basta não o incluir na lista de candidatos a deputado do PS Porto.

7 comentários:

  1. Não conheço o personagem
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não perde nada, Pedro.
      Abraço e bom fds tb para si

      Eliminar
  2. Pensava que no Porto era tudo boa gente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois pensava mal, Anphy. Ou como se diz no Norte, a pensar morreu um...

      Eliminar
    2. Também se diz no Sul. E lá há muitos mais jumentos.

      Eliminar
  3. Desconhecia este Senhor, mas como politico não é exemplo para ninguém!
    =)

    Bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou quando muito, será um mau exemplo para recordar, Daniela
      Beijinho e bom FDS

      Eliminar