terça-feira, 10 de abril de 2018

Lula pede para cumprir pena em Portugal

Diz a comunicação social que Lula teve o privilégio de poder ver um jogo de futebol, porque lhe foi colocada uma televisão na cela.
Lula terá ficado reconhecido, mas isso não demoveu de pedir para cumprir a pena de 12 anos em Portugal
Ele sabe que nas nossas prisões há televisores para os presos acompanharem a actualidade, os telemóveis abundam e, em algumas prisões, os detidos podem combinar e coordenar assaltos no exterior através da Internet.
Parece que a comida não é grande coisa mas, como Lula come pouco, a escolha de um hotel prisão em Portugal será vantajosa  em relação à sua cela individual em Curitiba

12 comentários:

  1. As prisões alemãs ainda são muito melhores do que as prisões portuguesas, portanto, o Lula que não perca tempo e faça uma petição para uma estadia prisional cá na terrinha.

    ResponderEliminar
  2. Faz bem Lula em pedir para cumprir pena em Portugal. Mistura-se com outros meliantes e passa despercebido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas Lula não quer ( e em minha opinião bem) passar despercebido, António

      Eliminar
  3. Não acho má ideia, continuo a gostar de Lula.

    ResponderEliminar
  4. Também chove no país do humor...

    ResponderEliminar
  5. É pena que prendam uma pessoa sem terem uma única prova. Apenas a delacção paga, feita por criminosos. Leia a base LVII do artigo 5º. da Constituição da R. Federativa do Brasil. O resto dos Direitos também dá vontade de rir...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conheço a Constituição do Brasil quase tão bem como a portuguesa ( em matéria de direitos, claro...)

      Eliminar
  6. Já visitaram alguma prisão em Portugal?
    Eu já.
    E fiquei mal disposto com o que vi.
    Livra!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não só visitei, como em tempos trabalhei numa ( Paços de Ferreira). Também não gostei nada do que por lá vi, mas os tempos eram muito diferentes de agora.
      Hoje em dia, felizmente, há algum bom senso em não misturar os presos todos ao molho, independentemente do crime e das penas a que foram condenados

      Eliminar