terça-feira, 13 de março de 2018

Não sejas mau p'ra mim!



Sempre fui acérrimo defensor do direito à greve, mesmo quando sou prejudicado com isso ( como foi ontem o caso), mas exijo dos grevistas reivindicações justas e coerentes. Como foi o caso dos enfermeiros, por exemplo. 
Ao que sei, no entanto, não é o caso do pessoal das infra-estruturas que faz reivindicações tão disparatadas como um aumento imediato de 4%, mesmo antes de terminarem as negociações.
Antes de entrar pela via grevista há que ponderar as consequências. Este esticar de corda dos sindicatos ( que até nem vêem razão para uma greve das mulheres em Portugal, provavelmente por terem medo de lhes escapar ao controlo) tem mais contornos políticos do que laborais e  todas as condições para acabar mal. Um dia cai-lhes em cima o Rio + a Cristas e começam a gritar “Não sejas mau p’ra mim!”

2 comentários:

  1. Se há coisas que não fazem sentido e, em certa medida, constituem uma ofensa, esta é uma delas.

    ResponderEliminar
  2. Há greves que só podiam ter uma resposta, Carlos - requisição civil!

    ResponderEliminar