sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Marcelo acusado de assédio sexual?

Marcelo Rebelo de Sousa tinha uma visita programada aos EUA para o próximo mês. 
Estava tudo combinado mas ontem a embaixada americana em Lisboa avisou o palácio de Belém que a visita seria cancelada, porque o movimento Metoo acusa Marcelo Rebelo de Sousa de assédio sexual em forma tentada.
Diz o Metoo que o nosso PR usa o estratagema das "selfies" para apalpar as mulheres. Como prova, apresentou o depoimento de uma senhora de 86 anos que diz ter sido molestada durante a visita de MRS a Pedrógão:
"Ele só dizia: tire uma selfie comigo, minha senhora! Ora eu não tenho idade para essas poucas vergonhas mas, como me disseram que era o Presidente da República, lá tive de aceitar, porque sou muito respeitadora da autoridade. Mas se pensam que me fiquei, estão muito enganadas. Assim que ele começou com os avanços e encostou a cara dele à minha, pus-me a bulir, que eu cá sou mulher séria e de um home só. Se o meu Alípio ainda fosse vivo ele havia de levar muito que contar..."

4 comentários:

  1. : ))))

    Não tendo nada a ver com selfies, o Carlos tem lido sobre o caso de Larry Nasser, ex- médico da equipa de ginástica dos EU?

    ResponderEliminar
  2. Tenho acompanhado mais pelas televisões do que pelos jornais, Catarina. Só tenho uma palavra a dizer sobre esse monstro:REPUGNANTE!
    Este post, obviamente, nada tem a ver com esse caso, mas sim com aqueles fundamentalismo que pretendem a retirada de obras de arte dos museus e colocar no Index filmes de determinados realizadores, como é o caso de Woody Allen, Muito à americana, o que se está a passar é uma histeria que me faz recuar aos tempos da caça às bruxas do Mccarthysmo. E isso, confesso-lhe, provoca-me tanto medo e horror como o fundamentalismo islâmico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Enquanto se "desvendam" assédios com efeitos retroactivos nesse puritano país das públicas virtudes e dos privados vícios, cada vez mais securitário, nenhum movimento "ostraciza" as empresas que despedem trabalhadores e nem querem saber de direitos sociais, como os do trabalho,da saúde, duma velhice condigna, ou aqueles empresários e os políticos das "armas de destruição maciça" ou a corda bamba por um fio do petrodólar. Ou pelo menos a comunicação social disso não (nos) dá conta.

      Eliminar