terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Foi bonita a festa, pá!

Dizem-me que foi bonita a homenagem  a Mário Soares. Ainda bem, porque ele merece que o recordemos como uma das mais importantes figuras do século XX e um  incansável lutador pela Liberdade.
O que sobre Mário Soares escrevi nos dias subsequentes à sua morte mantém-se actual ( podem ler aqui,  ou aqui)
Chegou-me entretanto a notícia da entrada de uma petição na AR para impedir que seja dado o nome de Mário Soares ao aeroporto do Montijo.
A minha primeira reacção foi soltar uma gargalhada com as preocupações dos tugas e alvitrar que Mário Soares merece muito mais do que ficar perpetuado num aeroporto. 
Passei do riso à indignação quando soube que a petição continha termos insultuosos e provocatórios. Foi então que decidi pesquisar na Internet para conhecer o conteúdo e confirmar aquilo que suspeitava: trata-se de uma iniciativa de retornados ressabiados que apenas merecem o meu absoluto desprezo. Gente ignorante e imbecil a quem dedico o post "Bem aventurados os pobres de espírito"
Mário Soares não era santo. Tinha defeitos, como qualquer ser humano, e a grande virtude de amar a Liberdade e ter lutado por ela toda a vida.
É precisamente por isso que acho muito bem que a petição, apesar dos termos insultuosos e próprios de gente rasca, tenha sido aceite na AR. E por unanimidade. É esse o maior elogio que se pode fazer a Mário Soares.

3 comentários:

  1. Não digo mais nada. já tinha falado desse assunto aqui. Há gente tão vil e ignorante que não querem mesmo saber. So estavam habituados a bater, matar e explorar pretos, que não podem admitir que lhe tenham tirado as suas regalias. Mas eles vieram para cá sonegar o direitos de outros.
    Se não fosse Mário Soares este país nunca tinha conhecido a Liberdade. Ele foi um lutador incansável. Que teve que lidar com os desmandos do PREC, com os alucinantes aumentos do petróleo e com um adversário cego, mas muito inteligente, que mandou matar milhares de oficiais russos e por isso tiveram tantas perdas n 2ª. GG.
    vale a pena ver estas histórias que ainda estão por contar: https://www.rtp.pt/play/p4250/o-principio-da-incerteza

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrijo:
      É o eu dá a gente não ver logo o que escreve. Eu queria dizer...e com um adversário que admirava e queria seguir um assassino louco que mandou matar.... Penso mais depressa com que escrevo.

      Eliminar
  2. Alguns retornados, e curiosamente até alguns que nunca foram retornados, pensam, é aneira.
    Não se podia exigir Liberdade, para nós, e continuarmos a negar essa Liberdade aos outros povos.
    Se a descolonização podia ter corrido melhor? Claro que sim.
    Mas não acredito que Mário Soares pudesse fazer melhor, depois de tantos anos de guerra e de repressão do Estado Novo. Se ela tiivesse sido feita vinte anos antes, sim creio que poderia ter sido muito melhor, não só para os portugueses, como para os próprios países colonizados. Em 74/75 os ódios estavam exacerbados os polos tinham-se extremado.
    Nunca fui retornada, mas conheci bem, a realidade angolana e Moçambicana, onde vivi durante alguns anos, acompanhando o marido, militar de carreira.
    Abraço

    ResponderEliminar