quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Memórias em vinil (CCXCI)

Eu sei que foi Elaine Page quem celebrizou esta extraordinária canção, na Ópera Evita. Até porque por essa altura estava em Londres e não falhava um musical.-
No entanto, o seu a seu dono. Foi Julie Covington quem primeiro gravou "Don't cry for me Argentina e por isso é essa a interpretação que aqui recordo hoje.
Tenham uma boa noite!

Os professores têm razão mas...

Os professores têm carradas de razão na sua luta. Não podem, nem devem, é confundir a opinião pública comparando a sua situação com a dos restantes funcionários públicos. É a razão é simples. Enquanto os professores sempre foram promovidos automaticamente, em função do tempo, os restantes funcionários públicos tinham de fazer concurso, só podendo progredir se houvesse vagas.
Acrescente-se que, após o descongelamento, continuarão a ser muito beneficiados, pois a sua progressao na carreira é muito mais rápida do que a dos funcionários públicos.
Assim, enquanto a esmagadora maioria dos professores pode atingir o topo da carreira, só uma ínfima parte dos funcionários públicos pode aspirar atingir essa meta.
É sempre melhor ser claro, do que tentar confundir a opinião pública com uma mentira.

A justa luta dos professores

Compreendo muito bem a luta dos professores mas, convenhamos que a sua situação melhorou muito depois do 25 de Abril.
Tenho a certeza que alguns deles ainda se lembram muito bem desta que o Estado Novo impunha às professoras.

Tenho uma má notícia para si, senhor Presidente!



Kayin people Myanmar


Lamento muito informá-lo, caro Presidente Marcelo, mas ao contrário do que costuma apregoar por aí, os portugueses não são o povo mais generoso do mundo. Eu sei que não é o único a ver nos tugas virtudes que eles não têm mas, em virtude da gravidade da notícia que ontem me chegou, achei por bem informá-lo em primeira mão do nefasto acontecimento.
Na verdade, professor Marcelo, os portugueses não só não são o povo mais generoso e solidário do mundo, como nem figuram no pódio.  Nem sequer nos 10 primeiros lugares. Pior ainda, senhor Presidente ,não estão entre os 20, nem entre os 50, nem mesmo entre os 100 povos mais generosos do mundo!
O povo cuja generosidade  V.Exª não se cansa de enaltecer, ocupa um modestíssimo 104º lugar no ranking dos povos mais generosos  do mundo.
A terrível notícia foi dada pela Fundação Mundial para a Ajuda e Caridade, no dia Mundial da Bondade, que se assinalou na segunda-feira, 13 de Novembro.
Espero que esta notícia não o abale e até o incentive a prosseguir a sua política dos afectos. Já agora, senhor presidente, sugiro-lhe a visita aos três países mais generosos do mundo, onde os seus afectos serão certamente retribuídos com algo mais singelo e menos sofisticado do que as "selfies", mas com muita bondade.
São eles: Myanmar , Indonésia e Quénia. Quem os conhece percebe bem porquê e nem sequer estranha que Myanmar ocupe o 1º lugar pelo quarto ano consecutivo.