terça-feira, 21 de novembro de 2017

Quando livraria (Bertrand) rima com mercearia

No dia do meu aniversário, a Bertrand enviou-me um vale no valor de 5€ para descontar numa compra superior a 25€.
Fiquei surpreendido porque sou cliente da Bertrand há muitos anos e nunca tinha recebido um presente de aniversário mas, obviamente, agradeci.
Esperei pela segunda segunda -feira de Novembro para ir às compras e descontar o meu vale. Feitas as escolhas apresentei-me na caixa. Ao fim de alguns segundos a empregada disse-me que havia um problema. O vale não pode ser descontado em compras de livros com menos de 18 meses.
Não estou habituado a dar ou receber presentes à condição. Embora aceite que a Bertrand condicione a oferta a um valor determinado, considero inaceitável que coloque como condição a "idade" dos livros.
Confrontado com a situação deixei os livros, o  vale "presente" e comuniquei que não voltaria a entrar na Bertrand. A livraria não perderá muito com a minha recusa mas, pelo menos, ficará a saber que há leitores que ainda diferenciam livrarias de mercearias e  promoções de livros de ofertas de merceeiro.

9 comentários:

  1. Caro Carlinhosamigo

    Bertrand = pqp, por extenso: Puta que a pariu

    Abç do teu amigo
    Henrique (que por solidariedade contigo nunca mais vou à dita cuja!) o Leãozão

    ResponderEliminar
  2. mas olhe que no sector livreiro há muita promoção dessa natureza. Claro que me pode retorquir que não é a mesma coisa - que não é mesmo - porque o cheque é uma oferta de aniversário. Estou a lembrar-me da hora H, ou a happy hour na Feira do Livro. Da primeira vez, tive que desfazer as compras quase todas porque, nos livreiros que aderem, o desconto só engloba livros editados há mais de três anos. A prenda da Bertrand é do mesmo género:). Mas a mim não me chegou um cheque de aniversário. Que eu aproveitava-o. Com tanto livro antigo que não li!
    Mas reconheço que tem razão:).

    ResponderEliminar
  3. Senti-me igualmente defraudada, quando sucedeu comigo. Muitos Parabéns pelo aniversário e pelo post.

    ResponderEliminar
  4. Há muito que a Bertrand deixou de ser o que era.
    E depois ... há vales que não valem nada.

    ResponderEliminar
  5. No fundo o que foi desagradável foi a surpresa...para o ano quando receber o cheque já pode lá voltar e com toda a descontracção escolhe um livro dos possíveis :)))
    Is to porque pode acontecer-lhe receber um presente igual a este mas vindo de outra livraria!
    bjs

    ResponderEliminar
  6. Quando fui livreiro, numa pequena livraria independente, recordo-me da Bertrand lançar um sucesso de vendas internacional. Ao pedir ao distribuidor um número de exemplares elevado para o meu estatuto, ele confidenciou-me que só depois de alimentadas as grandes superfícies (leia-se, as maiores livrarias e hipermercados) é que teria direito a alguns exemplares.
    Há dias dirigi-me a uma pequena livraria e pedi um livro editado pela mesma Bertrand. "oh, isso vai demorar a chegar. Se chegar. Primeiro vai às grandes", respondeu-me a livreira.
    Bom, nisto de livros, não há pressas. Que demore, havia por lá outros livros. Quando chegar, comprá-lo-ei, mas na Bertrand certamente que o não compro.

    ResponderEliminar
  7. Que vergonha! Eu era capaz de ter a mesma reação. Há anos que não entro no Pingo Doce primeiro porque embirrei com a cena que o merceeiro Soares dos Santos armou naquele 1º de Maio de há anos atrás e depois porque fui lá fazer umas compras de remedeio e, ao querer pagar com o cartão a menina, muito delicadamente, disse-me que só aceitavam pagamentos com cartão em compras superiores e 20 euros. Ora a minha conta somava 19 euros e tal, que eu não tinha em dinheiro. Claro que ficou lá tudo em cima do tapete rolante da caixa e tratei de dizer à menina: «A menina não tem culpa nenhuma, nem eu faço cá falta nenhuma, mas nunca mais entro num destes supermercados...»

    ResponderEliminar
  8. Não fez mais que o que a livraria (???) merecia, Carlos.
    Presentes com condições?
    Isso é um LOGRO!

    ResponderEliminar
  9. Isto está a acontecer em todo o lado. Acho que só a FNAC é que ainda tem descontos. A Bertrand há muito que deixei de lá ir e a última vez deixei lá os livros e entrei noutro lado. detesto gente acanhada de espírito. Eu comprava na POrto Editora pela net e tinha pelo menos 10% de desconto. Agora os descontos e portes grátis também são para publicações com mais de 18 meses e quando são maiores são créditos que ficam em conta, e assim só se podem descontar em novas compras. É a crise meu caro! Como eu já nem tenho tempo para ler os que tenho que vão todos para o raio que os parta.

    ResponderEliminar