terça-feira, 24 de outubro de 2017

Memórias em vinil (CCLXXII)





É bom chegar a esta idade e poder dizer como a Edith Piaf: Non, je ne regrette rien! Boa noite. 

6 comentários:

  1. Grande canção. interprete sublime. Também não lamento nada porque sendo como sou voltaria a fazer o mesmo e não me arrependo de nada do que fiz. talvez fosse um pouco mais carinhosa, mas a culpa acho que não foi minha. Tenho a certeza. Mas talvez fosse mais feliz se dissesse: "je vois la vie en rose". Hoje fazia o meu infeliz, mas querido pai, anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu talvez tentasse fazer ainda melhor aquilo que sei que fiz bem e evitasse fazer algumas coisas de que não me orgulho.
      O sr seu Pai devia ser excelente pessoa, para ter nascido no mesmo dia que eu. Ou vice versa, obviamente, porque ele nasceu primeiro.

      Eliminar
    2. Era bom demais, mas teve o azar de já nascer órfão de pai...

      Eliminar
  2. Isso é o mais importante, Carlos.
    Mais um grande abraço!

    ResponderEliminar
  3. Feliz de quem não tem que lamentar.

    ResponderEliminar