quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Dunas são como divãs...de psicanálise







Ontem, como acontece todos os anos, passei o dia a  tentar esquecer que era dia do meu aniversário. Com o telemóvel desligado, mas  com o inseparável Moleskine por companhia, fui até ao Rochedo que deu nome a este blog.
Já lá não ia há muito tempo e o reencontro, como sempre, foi emotivo. Recuei quase 50 anos, ao dia em que o descobri, fiz uma viagem no tempo até àquele dia de 1977 em que me despedi dele, pensava eu que para sempre.
Infelizmente há memórias que não se apagam, nos acompanham a vida inteira e, por mais que as tentemos enterrar, ressuscitam com mais força, cada vez que lhes entreabrimos uma porta da mente.
Não me lembro de alguma vez, em Portugal, ter um dia de aniversário tão soalheiro. Normalmente o dia está cinzento e, pelo menos à noite, chove torrencialmente durante algumas horas. Ontem, aproveitei a dádiva para passar o dia no Guincho que, com os 28 graus de temperatura e a ausência de vento, estava ainda mais deslumbrante .
Depois de enterrar as memórias no meu rochedo, caminhei umas centenas de metros até às dunas de Cresmina.  A intenção era tomar um café na esplanada, enquanto absorvia aquela paisagem arrebatadora e, posteriormente,   terminar a leitura de "O Anjo Pornográfico" , mas cruzei-me com  uma família francesa, deslumbrada com a paisagem,  que mudou os meus planos.
Primeiro, a  surpresa de um telemóvel inundado de mensagens, quando o liguei para tirar estas fotos, depois a descoberta de que esta família francesa (casal, sogros e duas filhas de 6 e 8 anos)vive na Argentina, em Buenos Aires, e tem casa em Pinamar, para onde viajara durante boa parte da manhã enquanto estive ancorado no Rochedo. A conversa estendeu-se por várias horas e terminou com um convite que me deixou desvanecido. 
Este ano, no dia do meu aniversário, fiquei mais uma vez a pensar se não há coincidências...

13 comentários:

  1. A vida é um verdadeiro conjunto de eventualidades, Carlos.

    Um beijinho de parabéns da amiga de SEMPRE.

    ResponderEliminar
  2. Muitos parabéns! : )
    Há coincidências, sim!
    : )

    ResponderEliminar
  3. Eu imagino umas coisas, mas que as dunas sejam divãs de psicanálise, essa não me ocorria.
    Gosto de praias com dunas porque lhes dão um ar natural e meio selvagem. O pior é atravessá-las. Nem todas têm passadiço de madeira.
    Parabéns atrasados. Não me parece que um rochedo seja grande companhia. Ainda bem que as coincidências existem, e mais as famílias francesas que moram noutro país. E assim. Porque mudam o tom a um dia de anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho uma imaginação deformada por questões de formação profissional, Bea :-)
      Obrigado

      Eliminar
  4. Parabéns, Carlos.
    Curiosamente também ontem estive na Duna da Cresmina se calhar estivemos lado a lado!!!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito provavelmente, Papoila. Estive lá até às 5 da tarde. Primeiro no bar ( por volta das 2) e depois num daqueles pontos de descanso, onde me encontrei com a família francesa.
      Obrigado pelos parabéns. Bjs

      Eliminar
  5. Só agora aqui cheguei. Eu faço o mesmo no dia dos meus anos. Hoje (25) fazia o meu pai anos que partiu muito novo. Eu também acho que não há coincidências. Às vezes até fico arrepiada. Também acho que o tempo só activa as memórias que ficaram na nossa memória. e que recorde ainda muito mais pela vida fora...

    ResponderEliminar
  6. Coincidências dessas são sempre uma alegria.
    Grande abraço

    ResponderEliminar