quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Com Assunção Cristas na esplanada...

Ainda sou do tempo em que a política era discutida com mais elevação do que o futebol. Nessa altura, seguia apaixonadamente o debate político. 
Os tempos mudaram. O debate político foi perdendo qualidade porque o nível das temáticas e dos intervenientes, na generalidade, desceu ao  patamar dos comentadores desportivos. Isto é, ao nível da indigência argumentativa e lexical.
Ainda há  comentadores políticos com qualidade, mas as televisões não os querem porque não são suficientemente assertivos para levantar polémicas incendiárias. Quanto aos tribunos, são uma desgraça. Dizem que os bons tribunos não querem ir gastar o seu tempo a discutir trivialidades com gente da dimensão de um Hugo Soares, de uma Assunção Cristas, ou similares de esquerda, porque nesta matéria a indigência está bem distribuída por todas as bancadas do hemiciclo.
Como é óbvio, em dia de aniversário, não perdi tempo a assistir a um debate Porto- Benfica em versão S. Bento.
Ontem fui tentando informar-me o melhor que pude através dos jornais mas, o melhor depoimento que vi/li/ouvi  sobre o debate da moção de censura foi um diálogo na esplanada.
Estava eu a ler o artigo do Rui Tavares no "Público", quando um  diálogo me deu a entender que a leitura estava a ser partilhada na mesa do lado:
- Eh, pá! Tu viste a vergonha daquele debate ontem?
- Qual debate?
- O da moção de censura do CDS
- Ah! Não perco tempo com política, pá...
- Mas devias ter visto aquilo. Surreal! 
- Para que é que o CDS apresentou a moção de censura? Já sabia que não passava, para que andaram a perder tempo com politiquice em vez de discutirem o que interessa?
- Eh, pá, o CDS tinha de marcar posição, não te parece?
- Olha a mim não me parece nada. Sei é que desde que ficou à frente do PSD em Lisboa, o CDS só pensa em antecipar-se ao PSD. O deslumbramento foi tanto que a Cristas ficou contusa e precipitou-se. Acho que se vai arrepender (...)

3 comentários:

  1. Um debate politico deveria ser acerca de problemas concretos e ideias concretas para os resolver dentro de um quadro ideológico ou supra-ideológico.
    Uma vez que ninguém tem ideias e se limitam a seguir as cartilhas de quem comprou o poder politico, não há debate politico há muito tempo. Há tricas e mexericos. Será mais informativo assistir a uma conversa entre peixeiras do que aos debates politicos, polvilhados de um Português correcto (na maioria das vezes) e eloquente (nem sempre, mas...) em que se gasta tempo a falar sem dizer nada que se aproveite!

    Basicamente, como afirmou, é como ver programas em que tipos facciosos por pertencerem aos clubes de futebol discutem factos como se estes tivessem forçosamente de se enquadrar na sua realidade pessoal, em vez de fazerem parte de uma realidade concreta...

    Como disse num comentário a um post anterior, é o que temos, é o que está em exposição e não há mais no armazém...

    Fortíssimo abraço

    P.S. - estão com o segurança a aguardá-lo :)

    ResponderEliminar
  2. Eu também acho que muitas vezes o debate tem um nível tão baixo porque os próprios interluctores, interrompem as pessoas quando elas seguem o rumo que eles querem. na terça á noite tentei ver um mas fiquei tão irritada e porque não tinha o endereço do jornalista fui ao FB e pus um comentário na página da estação. Comentário esse que foi logo apagado.
    Mas na realidade o nível dos debates nunca foi tão reles.

    ResponderEliminar
  3. Assunção Cristas está a ir com muita sede ao pote para marcar uma posição de líder que ainda acha frágil.
    É bem capaz de se engasgar um destes dias...

    ResponderEliminar