domingo, 15 de outubro de 2017

A culpa é da ministra, obviamente...

É incontornável falar sobre o terrível dia de hoje, o pior dia de incêndios do ano. 
 Ao constatar que dos 430 incêndios do dia, cerca de  um quarto se iniciou durante a noite e madrugada, não é preciso ser muito perspicaz para perceber que muitos deles foram provocados por mão criminosa. Normal, por isso, que muitos lamentem a brandura da justiça com os incendiários. Eu sou um deles e defendo, sem qualquer rebuço, que um incendiário seja condenado a pena máxima de 25 anos sem possibilidade de libertação antes de cumprido o prazo.  
No entanto, é óbvio que a maioria dos incêndios não se deve a mão criminosa. Deve-se à irresponsabilidade popular. Há muita negligência e irresponsabilidade. Apesar da temperatura sufocante deste fim de semana, eu vi  gente a fazer queimadas e a lançar "beatas" pelas janelas dos  carros. 
É fácil responsabilizar  a  Protecção Civil pela catástrofe , exigir a demissão da ministra e até de todo o governo. Difícil é aceitar que cada um de nós é culpado pelo que está a acontecer. Enquanto não houver consciência cívica, continuaremos a ver o país a arder. E, claro, a apontar o dedo a quem estiver de serviço no governo, independentemente da cor política.
Amanhã voltarei ao assunto mas, por agora, recordo os interessados, os posts que já escrevi sobre este assunto. Basta seguir este link

6 comentários:

  1. Já ouviu falar de responsabilidade política, não já, Carlos?
    E já a exigiu aqui neste espaço.
    Qual é a diferença agora????
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  2. Qual é a responsabilidade de um político quando uns imbecis fazem queimadas (que estão proibidas) com este tempo? Ou deitam beatas acesas pelas janelas dos carros?
    A responsabilidade política existe quando as entidades responsáveis não actuam em conformidade e está por provar que isso tenha acontecido.
    Também há responsabilidade política quando uns doidos resolvem atear fogos? Por amor da Santa, Pedro. Não confundamos alhos com bugalhos. Nunca me viu pedir responsabilidade política por incêndios, inundações, nem catástrofes naturais, Pedro. Nem aqui, nem em lado nenhum, porque sei destrinçar as coisas.
    Abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só lhe adianto dois nomes, ambos do PS - pois, esses mesmo que está a pensar, o António Vitorino e o Jorge Coelho.
      Não fizeram nada, souberam tirar consequências do que estava a acontecer.
      No presente temos uma Ministra e um Secretário de Estado que não fazem ideia nenhuma do que poderão fazer perante tragédias brutais (já não é a primeira, como todos sabemos) e ninguém é responsabilizado?
      Eu é que digo pelo amor da Santa, Carlos, aquele imbecil daquele Secretário de Estado tem que ser demitido JÁ!
      E a Ministra, que o escolheu e que não faz a mais pequena ideia do que deve fazer para combater este flagelo, já devia ter ido para o olho da rua há muito tempo.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Lembro-lhe, Pedro, que a queda da ponte de Entre os Rios NAO FOI UMA CATÁSTROFE NATURAL. Houve responsabilidade efectiva do Estado que não fez as fiscalizações a que estava obrigado. Jorge Coelho, muito bem, demitiu-se. Não podem é comparar-se duas situações incomparáveis.
      Vivia na Argentina quando aconteceu o caso António Vitorino mas, pelo que sei, foi um problema de não pagamento de impostos ( corrija-me, por favor, se estiver enganado). Outro caso em que há, portanto, responsabilidade objectiva.
      Não consigo, por isso, perceber a relação entre o caso dos incêndios e os dois ministros que refere. se me puder esclarecer, agradeço.
      Abraço

      Eliminar
  3. É assim mesmo Carlos. Tanta gente que anda para aí manipulada pelos media e outros tantos pela ideologia que defendem, manipulados também! Obrigado e continue com estes posts esclarecedores!!!

    ResponderEliminar
  4. O outro bem dizia que vinha aí o diabo! Aí o temos.....

    ResponderEliminar