quinta-feira, 28 de setembro de 2017

No princípio era o Euro...

Alice Weidel
 
 
Inicialmente,  quando era liderado por Bernd Lucke, o AfD era apenas um partido de direita, anti europeísta, que se opunha ao euro e ao resgate aos países do sul.
A responsável pela deriva da AfD  para a extrema direita foi Frauke Perry que introduziu a bandeira anti-imigração no programa do partido. Perry leva a questão da imigração tão a sério, que defende o direito de a polícia alemã disparar sobre  refugiados que atravessem a fronteira alemã.
A ascensão de Adolfina parecia imparável, pelo que foi surpreendente a sua demissão  do AfD no dia seguinte às eleições. As razões invocadas? O partido ter virado demasiado à direita.
Agora imagine-se como serão os candidatos à líderança da AfD.
A coerência, por exemplo,  não parece ser o forte de Alice Weidel, uma das fortes candidatas à sucessão de Frauke Perry. Lésbica,  a viver com uma mulher originária do Sri Lanka e tendo como empregada doméstica uma imigrante ilegal síria, já  é difícil imaginar Alice Weidel como militante de um partido de extrema direita, quanto mais a liderá-lo...

3 comentários:

  1. Pois...acerca da história pessoal da senhora devo dizer que até não me desagrada. E acho-a linda; diga-se que a antecessora também é bastante colunável, a malta da direita tem isto, há ali um tique genético a sinalizar o pedigree. E agora veremos o resto. E como é que ela aguenta princípios partidários e vida pessoal em disparidade. Por mim saía do partido e era já. Até tem aspecto muito limpo e ecológico.

    ResponderEliminar
  2. Coerência não será o forte da dita senhora.
    Enfim, mais do mesmo.

    ResponderEliminar
  3. Antes de ser escolhida para encabeçar a lista de candidatos da AfD, em Abril de 2017, esta consultora de empresas de 38 anos era praticamente desconhecida no cenário político alemão.
    Ela é natural de Gütersloh e vive com a parceira estrangeira e os dois filhos desta na Alemanha e na Suíça.
    Alice Weidel trabalhou como analista para gestão de patrimônio no banco Goldman Sachs, em Frankfurt.

    A AfD obteve 1,42% na parte de Düsseldorf onde vivo bem e com muitíssimo gosto.

    ResponderEliminar