quarta-feira, 9 de agosto de 2017

It is a Trump's world ( Inquietação, inquietação, inquietação...)



Desde sempre foi perceptível que, logo que chegasse à Casa Branca,  Trump pretendia arranjar um conflito externo para se fortalecer internamente.
Toda a gente pensou que Trump apontaria baterias para o Irão. Inicialmente foi isso mesmo que fez, mas a falta de apoio internacional fizeram-no recuar.
Para sorte de Trump, existe na Ásia um outro maluquinho desejoso de criar um conflito com os EUA. 
Nesta sintonia de vontades começou a germinar, há alguns meses, um conflito sério. Primeiro as trocas de palavras pareciam pirraças de miúdos. Hoje, já são mesmo guerras de miúdos que olham para o mundo como um jogo de Play Station. Ambos parecem divertidos, mas esta ameaça de Trump é mesmo para levar a sério
Tal como acontece com as questões ambientais, também neste conflito a China poderá ter um papel determinante para evitar um conflito que, inevitavelmente, terá consequências catastróficas.
O mundo nunca esteve tão perigoso desde  a Baía dos Porcos. Nesse longínquo ano de 1961, acabou por prevalecer o bom senso.
Sabendo-se que esta pirraça  EUA /Coreia do Norte é protagonizada por dois loucos e que ninguém liga à ONU, a esperança está  no bom senso e equilíbrio de um interlocutor que imponha respeito e os obrigue a ter juízo. Continuo a acreditar que esse moderador mora em Pequim. Se estiver enganado, então o melhor é estar preparado para o pior.

9 comentários:

  1. Please, don't give the man ideas! Ainda se vai considerar o centro do universo.

    Sugestão: evite o diminutivo em maluquinhos, a não ser que neste contexto o sufixo indique "pequenez". 😅😅😅😅😅

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele já se considera, Catarina.
      Quanto ao diminutivo, o significado é mesmo esse. Que outro poderia ser?

      Eliminar
  2. A China também já percebeu que tem que se envolver mais nesta disputa de loucos, Carlos.
    Pura e simplesmente porque a Coreia do Norte é logo ali ao lado e não convinha nada ver o país em convulsão, muito menos envolvido numa guerra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente. Pedro.Além disso, ambos sabemos como os chineses são calculistas e não dão passos em falso.

      Eliminar
  3. Hmmm... pensei que as exportações da China para a Coreia do Norte tivessem aumentado…

    ResponderEliminar
  4. Nunca se está preparado para o pior. O pior da realidade destrói qualquer hipótese; entre sofrer e pensar no sofrimento há um abismo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estar ou não preparado para o pior é uma questão de filosofia de vida. Há sempre um choque quando "o pior" acontece ou nos é anunciado como inevitável, mas é possível minorar os efeitos se estivermos preparados para essa eventualidade.

      Eliminar