terça-feira, 29 de agosto de 2017

Assunção Cristas não é uma senhora?



Assunção Cristas ficou muito ofendida porque António Costa a tratou por senhora. Chegou ao cúmulo de dizer que foi uma afirmação machista.
Partindo do princípio que Assunção Cristas não é um travesti ou, quiçá, o alter ego de Portas, confesso que fiquei aturdido com a forma virulenta como a líder do CDS reagiu e só encontro uma explicação:
 Cristas é uma mulher muito p'ra frentex e teria preferido que Costa a tivesse tratado como  "a gaja porreira " do vestido de kiwis que foi ministra do ambiente e não fez a ponta de um corno enquanto lá esteve.

22 comentários:


  1. Bem, eu no noticiário só a ouvi dizer que o Boss AC (e esta designação não foi a que ela usou) usou um tom e uma linguagem que não não foi a mais apropriada... não a ouvi dizer que considerou essa afirmação de machista. Mas isso sou eu que ando sempre desinformada.
    Ah... e olha que eu também não gostaria de vez alguma ser referência como "aquela senhora" com um tom pejorativo como o que ele usou.

    Claro que tu gostas é de atear fogueiras... e distorcer as coisas à tua maneira. Vê lá se te confundem com dos incendiários que andam por aí nas nossas florestas a causar estragos incalculáveis! :)))

    Beijinhos apressados que vou ali abaixo ouvir os Queen e a sua «Bohemian Rhapsody».
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onde se lê referência ler referenciada

      Eliminar
    2. Eu li hoje na capa do i que ela considerava aquilo machista. Claro que AC o disse intencionalmente, mas é bom não esquecer que cada vez que ele vai à AR a Cristas chama-lhe mentiroso. Além de o brindar com outros mimos de garina mais habituada a frequentar o mercado do Bolhão do que a AR.

      Eliminar
    3. Pois... mas se clicares AQUI para ver melhor e com mais tempo e detalhe a capa do i, verás que quem fez essa afirmação nem foi ela.

      Eu tenho um "defeito" Carlos... sou sempre pela verdade, doa ela a quem doer.

      Eliminar
    4. Eu andei muitos anos no jornalismo, Afrodite e sei muito bem como são discutidas as declarações à imprensa dentro dos partidos, como são escolhidos os mensageiros e veiculadas as mensagens. Perdi a inocência há muitos anos e também tenho um "defeito": não me deixo enganar. Pouco me interessa o nome do mensageiro, quando sei qual é a origem, Afrodite. Também te afianço que não tardará muito até todos ficarem a saber o que se esconde por detrás daquele verniz de contrafacção que a Cristas gosta tanto de exibir.

      Eliminar
    5. Ah, é verdade... podes acusar-me do que quiseres, mas de distorcer as coisas "à minha maneira", não. Isso é prática muito usual de Pedro Passos Coelho, como ainda este FdS se viu com as declarações falsas que fez sobre o relatório da ACT. Mas isso fica para amanhã, porque gosto de tratar um energúmeno de cada vez :-)

      Eliminar

    6. Ok, ganhaste um ponto na tua argumentação e até aceito essa teoria do mensageiro. Aliás tudo isto só vem provar o que eu sempre disse: a política e o modo como se faz política causa-me náuseas e calafrios.

      Mas pelas almas não te aborreças comigo que não te acusei de nada, longe de mim tal ideia.
      Mas se alguma vez me perguntasses se gosto de ler, escrito por ti ou por outra pessoa, textos onde há insultos e onde se faz deboche... bom, então teria de te responder que não gosto.
      Por isso fujo a correr para os teus posts de música ou de outras coisas belas que tenhas para nos oferecer.

      Beijinhos pacíficos
      (^^)

      Eliminar
    7. Claro que não me aborreço contigo, Afrodite. Estou é indignado com o comportamento dos tugas, como ainda ontem desabafei aqui no post "The good, the bad and the ugly". E também me chateia que haja jornalistas a vender gato por lebre, com intuitos pouco dignificantes para a profissão.
      Compreendo bem que não gostes dos posts que escrevo sobre PPC, mas o homem é demasiado indigno para o lugar que ocupa e dá-me cabo dos nervos a sua faceta de mentiroso compulsivo- Além de que não lhe consigo perdoar o mal que fez a milhares de famílias portuguesas, apenas por ideologia.
      Durante o mês de Agosto escrevi pouco sobre política e quero ver se consigo conter-me durante o mês de setembro, porque a campanha eleitoral ainda não começou e eu já não posso nem ouvi-los. Aconselho-te, por isso, que leias os posts sobre as praias da minha vida, por exemplo...
      Beijinhos amistosos

      Eliminar
  2. Não simpatizo com ela e não sei como terá sido o episódio mas já vi em meio profissional homens tratarem mulheres por senhoras com um tom diferente para as diminuírem - entretanto fiquei um pouco mais esclarecida com o comentário da Afrodite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que a minha resposta ao comentário da Afrodite esclarece dúvidas, Gabi. Ela viu uma coisa na TV, eu li outra no jornal. Ambos estamos por isso certos e errados, consoante a perspectiva

      Eliminar
  3. Uma arruaceira dessas... sabe lá ela o que é uma senhora...

    ResponderEliminar
  4. Carlos, eu vi as duas coisas: no comício e no jornal que além de machista também chamou marialvista. O Carlos também sabe que na tv o tempo é dinheiro e que cada uma escolhe o que mais lhe interessa. Já vi e vejo a mesma notícias em tv diferentes que se tratavam do mesmo assunto mas que davam azo a interpretações opostas. As pessoas esquecem-se que Costa estava num comício partidário, não estava a falar como membro do governo, estava a falar de improviso, e não em nenhum sitio oficial. Devem esquecer-se do que o mictomatoso disse nos comícios quando era membro do governo. mas eu não quero fazer comparações porque desse animal eu nem o nome consigo pronunciar ou escrever. Tenho pena que as pessoas fiquem tão ofendidas, sejam tão educadas e não gostem que se diga mal de alguém que idolatram. A política não é nojenta. A Politica é essencial, a partidarite crónica é que é nojenta, assim como a ignorância. Agora a miss quiwi até gosta de ter origens humildes, foi aos bairros antigos criticar a lei das rendas que ela publicou e coitada também é filha dum gasolineiro como o outro desgraçado que nos deu cabo da vida. Mas não tem decoro quando aparece fotografada ao lado do marido a mostrar o pernil até à zona inguinal. Mas por favor continue a escrever mesmo irritado que é para eu também descarregar. É que eu detesto futilidades e passatempos que não servem para nada. mas gosto muito de puzzles. Só que agora por causa dos gatos que perfilhei não dá para o estendal ficar exposto, porque eu adoro os mais difíceis e com mais peças. Já passou o tempo do Mordillo
    Carlos também fiquei ontem danada quando ao publicar um comentário vi que me tinha fartado de escrever, respondendo ao seu comentário e a outras coisas e afinal não tinha aberto a identificação e foi tudo para o maneta. Eu não consigo escrever, de improviso, com a mesma graça, duas vezes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida que sem política não poderíamos viver numa sociedade civilizada. O problema da partidarite é o que eu já aqui repisei inúmeras vezes. a falta de cultura democrática e o analfabetismo político dos tugas ( principalmente as gerações mais velhas ainda estão formatadas no modelo de partido único) leva a que muita gente olhe para os partidos como clubes de futebol. Por mais imbecil, corrupto ou vigarista que seja o presidente do clube (partido), as pessoas continuam a votar nele. Essa cegueira encanita-me, mas só novas gerações com cultura democrática e política poderão alterar esta forma como as pessoas olham para a política e para os políticos.

      Eliminar
  5. Esqueci-me de dizer que desde que se ponha um boneco para os mentecaptos entenderem se pode dizer o que se quiser.

    ResponderEliminar
  6. Já agora também vale a pena ver o que disse o nuno melo no mesmo jornal i de 29.08.2017 e depois comparar com este vídeo, para se ficar a saber da ignorância do jornalista do Público e do eurodeputado do CDS, que não teve o cuidado de informar antes de fazer comentários imbecis, e de como variaram os testes de acordo com as ilustradoras e sobre livros que já são do ano passado.
    http://www.tvi24.iol.pt/videos/politica/ricardo-araujo-pereira-comprou-os-livros-para-miudos-espertos-e-miudas-estupidas/59a2dce00cf21d6c5360f7a8

    ResponderEliminar
  7. Como diria o eloquente Jorge Jesus, isto são "pinars", pá! :))

    ResponderEliminar
  8. Diz a Anaïs Nin (uma grande verdade) :

    “Não vemos as coisas como são ! Vemos as coisas como somos” !
    … e daí,… se cada um pensa como é e não como as coisas são, nunca nos entenderemos, porque cada um vê as coisas à sua maneira ! … o que não impede que se use uma linguagem “civilizada” e sem insultos quando se fala sobre os outros, sejam políticos ou não ! …

    Isso incomoda-me, seja à esquerda seja à direita, … “fujo, a correr” para outras paragens e “ligo à terra”, para não me incomodar ! :))

    Abraço , Carlos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim também me incomoda, Rui, mas incomoda-me muito mais ver políticos a mentir descaradamente, porque nos tratam como se fossemos mentecaptos. As considerações de PPC ao relatório da ACT sobre a Altice não são apenas falsas, como um desrespeito por qualquer cidadão que tenha pelo menos a 4ª classe. Essa gente tem de ser banida da política, até porque o PSD é um partido democrático. O problema é ter sido assaltado por um grupo de meliantes que nunca fizeram rigorosamente nada na vida, são retornados ressabiados cujo único objectivo é a vingança. E eu sei muito bem do que falo, caro Rui, porque tive a infelicidade de conhecer esse desgraçado sem eira nem beira, que se serviu da política para ser alguém.
      Quanto ao pensamento de Anaïs Nin, é um conceito básico da Filosofia, meu caro. E uma realidade incontornável, pois as coisas são aquilo que percepcionamos e não há volta a dar-lhe. Se assim não fosse a vida seria uma chateza. O que Anaïs Nin terá esquecido, foi de incluir um princípio básico da corrente percepcionista:o problema é as pessoas adulterarem o que percepcionam, moldando a realidade aos seus interesses.
      Ora aí é que está o busílis, meu caro Rui.
      Grande abraço

      Eliminar
    2. Seguir os pensamentos de Annaïs Nin é ter uma rica vida, pois ela sabe do que fala porque vivências de todos os tipos não lhe faltaram. Gostei de "In favor of the sensitive man and other Essaiys"

      Eliminar