quinta-feira, 27 de julho de 2017

Saudades do Outono




Adoro o Verão mas devo confessar que, pela primeira vez na vida, estou ansioso que acabe.  Passo a explicar a contradição.
Quando trabalhava, raras vezes tirei férias no Verão.  Principalmente nos anos em que vivia em Portugal e morava na Linha, o meu maior prazer no Verão era chegar a Lisboa sem ter de enfrentar os transportes a abarrotar.
Quando regressava a casa,  se ainda tivesse tempo, dava um mergulho na piscina e à noite adorava passear à beira mar e beber um copo com amigos, antes de regressar a casa.
Agora que estou reformado e vivo quase permanentemente aqui no Estoril, confirmo aquilo que desconfiava, mas  não me apercebia quando trabalhava: no Verão a vida por aqui é um inferno, com as praias atulhadas de gente, o paredão a abarrotar de ciclistas de ocasião, cães sem trela, camionetas a fazer cargas e descargas  e  toda uma parafernália de incómodos.
Em plena época balnear levanto-me por volta das sete para  poder  fazer a minha caminhada diária de 8 a 10 kms sem sobressaltos, porque a partir das 10/11 da manhã, deixa de ser possível.
Tenho saudades dos dias de Outono e Primavera, em que posso passear à vontade, porque há pouca gente na praia, o paredão está livre de cargas e descargas, os cães não se atropelam uns aos outros e os seus donos são suficientemente civilizados para limparem os cocós que eles fazem.
Não fosse o privilégio de ter um mar imenso à minha porta e o prazer que ainda me dá passear à noite à beira mar, ficar sentado a olhar as estrelas e os “bis” que cruzam constantemente o céu e me levam nas suas asas até Península Valdez, já me teria mudado para Lisboa e só voltaria em Setembro.  


4 comentários:

  1. A este desabafo acrescentarei mais um queixume: o vento!!!
    Agosto, é o mês mais ventoso da minha zona de Setembro a Dezembro volta a calma e a serenidade :)))
    bjs

    ResponderEliminar
  2. Os meses de Outono aqui em Macau, como o Carlos bem sabe, são os mais agradáveis em termos climatéricos.

    ResponderEliminar
  3. Não sabia que o Carlos era uma calhandra.

    Viver à beira mar é um verdadeiro privilégio. Como tenho saudades das nossas praias, embora também me incomode as multidões.

    ResponderEliminar