terça-feira, 24 de maio de 2016

Como as cerejas


Os posts são como as conversas que, por sua vez, são como as cerejas.  Foi assim que, a propósito deste post, me lembrei deste outro escrito em 2008, relacionado com a crendice e ingenuidade dos consumidores.

Estava o país a ser invadido por uma avassaladora onda de empresas de venda de colchões ortopédicos, a que cada uma juntava as propriedades adequadas aos consumidores que pretendiam iludir. Um casal, de idade já avançada, foi atraído a um desses locais de venda pelos processos já sobejamente conhecidos, mas mantinha-se irredutível em desembolsar uns milhares de euros para comprar o colchão. O vendedor, perspicaz, mas sem sucesso no recurso aos habituais argumentos, invocou um novo: aquele colchão produzia efeitos iguais aos do Viagra!. O casal entreolhou-se, trocou em recato algumas palavras e passado algum tempo decidiu-se. Negócio fechado, a troco de cerca de 3 mil euros a pagar em prestações suaves, com recurso ao crédito. O problema surgiu quando o casal constatou que fora enganado e, invocando o prazo de reflexão de 14 dias, pretendeu anular o negócio!...

Em tempo: e  já agora, ainda a propósito de cerejas... alguém as viu por aí?

8 comentários:

  1. Já vi cerejas mas não comprei. A 8,00 € o quilo é roubo. Vou esperar que o tempo aqueça e fiquem mais doces e em conta.

    Quanto ao colchão de efeitos milagrosos lembro-me bem dessa sua crónica. Fiquei foi sem saber se o casal conseguiu desfazer o negócio. Conseguiu?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei responder, Janita. A verdade é que já não me lembro...

      Eliminar
  2. Cerejas por aqui não se vendem.
    Já vendedores de banha da cobra....

    ResponderEliminar
  3. Bom dia. Cheguei aqui dias atrás, num link do "Conversa Avinagrada"
    Li o post da altura, e mais dois, gostei, e fiz-me seguidora. Ontem voltei li mais dois, de que gostei imenso,ambos sobre o Porto, cidade e clube. Porque sou portista, e embora não portuense, tenho lá um pouco das minhas raízes, o bisavô materno era de lá, tudo o que se relaciona com o Porto me chama a atenção.
    Quanto ao post de hoje, pois, este ano ainda não vi cerejas aqui pela minha zona. Quanto ao casal, bom quando o assunto é sexo, as pesos perdem a noção da realidade não é mesmo?
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Permita-me então que lhe dê as boas vindas a este Rochedo, Elvira Carvalho. Espero que continue a gostar do que por cá for lendo. A única coisa que lhe posso garantir, é variedade de temas e honestidade nas análises que faço.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Ah,já me esquecia de lhe dizer que tenho uma rubrica semanal sobre o Porto. Vai para ao ar ao domingo, embora às vezes falhe ( como foi o caso do último). Se quiser ler o que já escrevi, siga a rubrica O Porto é uma Naçom ( com link do lado direito) Bibó Porto!

      Eliminar