sábado, 16 de abril de 2016

Nunca é demais lembrar

Apesar de estar sobejamente avisado, o Sexta às 9 de ontem mexeu-me com os nervos.
Achei por isso  oportuno repescar este comunicado dos autarcas algarvios, que aqui publiquei em 2013.

NOTA AOS ORGÃOS DE INFORMAÇÃO
FALSA CARIDADE

Nos últimos meses as Câmaras Municipais do Algarve têm vindo a ser contactadas por várias empresas comercias do Norte do país com o objetivo de instalar, gratuitamente em espaço público, contentores destinados à recolha de roupa, calçado e brinquedos usados para alegadamente entregar a instituições de caridade.

No entanto, verifica-se que estas empresas, em vez de entregarem os bens doados pela população às instituições de caridade, servem-se da roupa para fins comerciais, utilizando-a para obterem fibras a custo zero, nas suas empresas lucrativas.

Ou seja, em vez de obterem esses recursos nos mercados habituais, estas empresas aproveitam-se da generosidade da população, a qual pensa de boa fé, estar a prestar um serviço público aos mais carenciados.

Normalmente, pedem a ocupação do espaço público gratuito, envolvem uma instituição de caridade local e prometem kits de roupa. Alguns dos Presidentes das Juntas de Freguesia celebram protocolos com o intuito de ajudar a população local, quando, na realidade, pensando estar a praticar o bem, a quase totalidade da mercadoria é utilizada para fins comerciais.

Os Presidentes de Câmara Municipal consideram esta situação fraudulenta e deliberaram, na reunião ordinária do Conselho Executivo de 1 de abril, alertar as Juntas de Freguesia, escolas, populações e demais entidades que estão a colaborar com estas empresas, para que o deixem de fazer.
O apoio aos carenciados sempre se fez e fará sem estas empresas
Faro, 2 de abril de 2013,
O Presidente do Conselho Executivo
José Macário Correia

7 comentários:

  1. Que vergonha sem tamanho!!
    É como as recolhas de alimentos para o Banco Alimentar à porta dos hipermercados. O pessoal compra de forma solidária e eles é que ganham com o assunto!

    Extorsão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordo. Não são apenas os supermercados a ganhar. Além disso, os produtos têm de ser comprados em qualquer lugar e o super é um dos bons para angariação de doações desta natureza.

      Eliminar
  2. Também vi a reportagem.
    Uma pessoa não tem para onde se virar....
    xx

    ResponderEliminar
  3. Só é pena o comunicado ser assinado por um imbecil que lambe cinzeiros.
    Quem não sabia é porque não quer estar informado, nem se quer preocupar com isso. Prefere limpar a consciência dando uma esmola. Eu que agora sou uma fã da RTP3, até acho que ontem a Sandra Felgueiras teve uma escolha triste na escolha dos convidados. Só disseram trivialidades. Já não falo no que referi, mas até o fiscalista só disse asneiras que nada têm a ver com estes casos, até o Sr. Domingos Azevedo meteu água porque não sabe que elas não apresentam o modelo 22, as contas que algumas entregam, limitam-se a ser visadas, se estiverem mais ou menos em ordem, mas não se pode confirmar nada. Agora que reduziram o pessoal, passou a ser feito em outsourcing, apenas por amostragem e mesmo assim sai extremamente mais caro, (e às tantas já queriam associar o assunto com o problema das offshores, quando há tanta coisa indoors). O problema não está nas ONG para o desenvolvimento, está nas Fundações que beneficiam de isenção de muitos impostos para produzir, por exemplo, vinhos que vendem a preços incomportáveis; nas IPss que muitas vezes recebem brutos subsídios para fazerem obras faustosas, mas não põem uma rampa nas escadas para que possa subir ou descer uma cadeira de rodas (e entretanto o provedor aproveita para fazer mais uma vivenda para si, ao mesmo tempo; nas que recebem subsídios porque dizem que têm certas valências a funcionar, chegam a receber milhares, e, ou não têm lá ninguém, Ou têm muito menos que o que está no acordo, porque ninguém vai verificar. Fico-me por aqui para não ser mais maçadora. A miséria humana sempre foi um bom negócio.

    ResponderEliminar
  4. Será que já não existe uma ponta de ética no que aos negócios diz respeito??????

    ResponderEliminar
  5. Há gente que já nem o significado de reles conhece :(

    ResponderEliminar