sexta-feira, 29 de abril de 2016

Estas coisas chateiam-me, pá!




Já aqui escrevi que  me encanita ter de pagar a modernização dos táxis e manifestei o meu desagrado pela  decisão  do governo dar aos taxistas entre 17 e 20 milhões de euros para  calar os protestos contra a UBER modernização das viaturas.
Não é atirando dinheiro para cima dos problemas que eles se resolvem. E, como a greve de hoje demonstra, se a ideia do governo era calar os taxistas, a medida falhou rotundamente.
Não me custa admitir que os taxistas tenham razão quando dizem que a UBER está a fazer concorrência desleal, mas espero que alguém lhes explique que o mundo está a mudar mais vertiginosamente do que na época em que os taxistas motorizados substituíram os cocheiros.
Não será proibindo a UBER que os problemas concorrenciais que os taxistas enfrentam vão ser resolvidos. Se a UBER for ilegalizada, outras plataformas  irão aparecer.
Não tenho a veleidade de dizer qual o caminho certo para resolver este intrincado problema, mas tenho a certeza que não é ilegalizando a UBER, nem atirando dinheiro para cima dos taxistas, que se resolvem os problemas.  A UBER está a aproveitar um vazio legal para operar em 600 cidades? Talvez. Mas, se assim for, o que os governos devem fazer é enquadrar legalmente a actividade, de molde a que ela seja compatível com a dos taxistas.
O problema, é que a evolução tecnológica tem sido tão célere, que os governos não conseguem acompanhar as mudanças a nível legislativo.
Mesmo que haja concorrência desleal, como argumentam os taxistas, não me parece boa ideia ilegalizar uma actividade ( a UBER) que beneficia os consumidores. 
 Os taxistas não perceberam - ou não querem perceber - as mudanças e decidiram fazer chantagem. Estão no seu direito, mas eu também tenho direito de pedir ao governo que retire os 20 milhões que lhes tinha destinado para modernização das viaturas, porque não irá resolver a falta de qualidade do serviço prestado pelos taxistas. A modernização fundamental passa pelos recursos humanos e não pelas viaturas.
Chateia-me, por isso, que o governo dê esta verba a uma classe profissional que recusa ver o óbvio, mas  tem poder para paralisar uma cidade, e simultaneamente alegue que não pode repor os passes 4-18 e sub 23, para todos os jovens, porque a medida custaria 20 milhões de euros.

3 comentários:

  1. Os taxistas gastaram milhares de euros num alvará e num curso de formação... entretanto... é feito tábua rasa para beneficiar uma multinacional.
    .
    Acontece por todo o lado:
    - legislação é feita à medida das multinacionais... milhões de empresas familiares vão à falência.
    .
    .
    -» Os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins... que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa
    Nota 1: Existem 'globalization-lovers'... e existem 'globalization-lovers' nazis (estes buscam pretextos para negar o Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones).
    Nota 2: Nazismo não é o ser 'alto e louro', bla bla bla,... mas sim... a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros.
    .
    Pelo Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones:
    -» http://separatismo--50--50.blogspot.com/
    (antes que seja tarde demais)

    ResponderEliminar
  2. Carlos está tão estragada a sua caldeirada
    que nem um pouco de vinagre a salva

    ResponderEliminar
  3. Para acrescentar à festa que já vai longa, desde a destruição dos terrenos aos que não quiserem aderir aos programas, cujas terras ficaram inférteis porque foram pulverizadas pela Monsanto, além das sementes transgénicas não se reproduziram, o que implica novas compras todos os anos e de as pragas serem combatidas com os seus próprios herbicidas. É por isso que eu não me desfaço de nada que tenho do tempo em que a seda e o algodão ainda earm naturais e não provocavam alergias.http://www.stopogm.net/glifosato-herbicida-que-contamina-portugal

    ResponderEliminar