terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Agora, o povo unido...

O dia 23 de Fevereiro de 2016 será uma data histórica para a democracia portuguesa. Pela primeira vez, PCP e BE votaram favoravelmente um OE do PS.
Para além deste facto inédito, os dois dias de debate sobre o OE 2016 não só permitiram concluir que PCP, PEV e BE perceberam o erro de 2011 - e não o querem repetir - como mostrou  uma esquerda unida contra a tralha da direita.
Será fundamental manter essa união, pelo menos até ao OE 2018. Sob pena de a direita voltar ao governo e cumprir a promessa de vingança sobre os trabalhadores. Se  os quatro anos e meio em que a direita esteve no poder foram terríveis, um eventual regresso de PSD e CDS ao poder seria absolutamente catastrófico para quem vive do seu trabalho.
Espero que Jerónimo de Sousa consiga meter na cabeça de uns irredutíveis mamutes militantes, que atacar o PS e pedir a queda do actual governo é, neste momento, uma irresponsabilidade que prejudicará irremediavelmente centenas de milhares de trabalhadores portugueses.

9 comentários:

  1. Como hoje escrevi, goste-se ou não da solução, a verdade é que está a funcionar.
    Já em Espanha...

    ResponderEliminar
  2. Também tenho essa esperança. Com muita força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bea, adoro vê-la tão afirmativa nesta matéria. E, ai de nós se esta situação não se aguentar. neste momento, com muito esforço, estou a tentar ouvir os "negócios da semana" e só de ver os convidados fico enojada e, de ouvi-los ainda fico pior. Logo hoje que acabei de vir das urgências da CUf de cascais, fora de horas e sem poder tive de arranjar solução porque vim de lá com a agulha (cateter) na veia, de onde me tiraram sangue e injectaram um anti-emético e a solução que arranjaram era voltar lá, quando eu nem podia conduzir, nem quase me mexer. felizmente que não me abriram se não tinham deixado lá o bisturi.

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Carlos, eu fico revoltada como as pessoas falam de certa maneira. Só pensam em si, não sabem que são finitas. Estas medidas´, pessoalmente só me prejudicam, mas eu não vou morrer à fome. E não foram os abusos dos pobres que tornaram Segurança Social mais frágil. Foram os abusos dos sacanas que prepararam as suas pré-reformas, as falências fraudulentas que as grandes empresas aproveitaram e os ladrões dos financeiros e dos advogados que os ajudam a troco de milhões.
    neste momento o João Duque ainda me dá mais vómitos, aquele que, como você sabe, meteu o Catrga. como catedrático, no ISEG, com horário a 0%. Fico- me por aqui. para não falar também do fiscalista que lá está, que usava lentes de fundo de garrafa e agora já tem as lentes metidas nos olhos. FdP.

    ResponderEliminar
  5. Esqueci-me dizer uma coisa que talvez não saiba e que eu desconhecia que existia. pOIS FIQUE A SABER QUE ALÉM DE PAGAR A URGência E TUDO O RESTO EM COMPARTICIPAÇÕES TIVE DE FAZER UMA PAGAMENTO À parte, por ocupação da sala de espera, no valor de 20 Euros. Porque é que o Paulo Macedo não morreu à nascença? É este minha revolta que ainda me dá forças para sobreviver, como disse o grande Coimbra de matos, nesta entrevista ao "Público" há poucos dias. http://www.publico.pt/sociedade/noticia/-1723592

    ResponderEliminar