domingo, 24 de janeiro de 2016

Da série jornalismo fantástico


Quando o efeito borboleta inspira o jornalismo do  fantástico,  títulos fantasmagóricos voam para as bancas.

Com os meus agradecimentos à Joana Lopes

2 comentários:

  1. Basta ter havido um erro na edição do título da notícia, no sentido de em vez de ter sido escrito "em" ser "de" - naturalidade das vítimas - e dar origem a esta coisa de 'bradar aos céus'.

    PS: Chocaram-me mais as gargalhadas, histéricas e despropositadas, de Marisa Martins quando foi votar e falou para os jornalistas, do que esse título 'fantástico'.
    (Já sei, não é a isso que o Carlos e a Joana Lopes, estão a querer dar ênfase...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem de propósito, Carlos! Poderia apagar o comentário e escrever outro com o nome correcto da candidata do BE, mas não faço.
      Erros acontecem, portanto aqui fica a rectificação: O apelido de Marisa é Matias e não Martins!
      Peço desculpa pelo lapso!! :)

      Eliminar