terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Figura Nacional do Ano

É verdade que António Costa teve o mérito de negociar com PCP e BE para conseguir um acordo entre os partidos de esquerda que permitisse correr com os talibãs, mas não me parece justo considera-lo, individualmente, como figura do ano.
Se é verdade que cabe a António Costa o mérito de ter acabado com o mito do arco da governação, também é certo que sem a concordância de Catarina Martins e Jerónimo de Sousa, nunca teria havido acordo. E, especialmente Jerónimo, deve ter tido um trabalho hercúleo para convencer alguns dos dinossauros do comité central que, viabilizar um governo do PS, era a única solução para expulsar a direita do poder, defender os interesses dos trabalhadores e, já agora, lavar um pouco a face da argolada que o POCP cometeu em 2011, quando deu de bandeja o governo a Passos Coelho.
Assim, escolho este trio como Figura Nacional do Ano

8 comentários:

  1. Caro Carlos
    Desta vez o céptico sou eu.
    Vibrei e entusiasmei-me com este "acordo". No entanto os homens e mulheres do PS e PCP com que fui falando (ao vivo) não me demonstraram grande entusiasmo. Vem o Banif e deu no que deu. Numa das ultimas intervenções do candidato presidencial do PCP, na argumentação lá está o PS a levar, comparando com os discursos da campanha para as legislativas só faltou a "farinha do mesmo saco". Tenho duvidas que o Jerónimo tenha conseguido convencer todos os sectores. A indicação de Domingues Abrantes para o CE é sintomático, dado que representa um dos sectores mais conservadores no interior do partido.

    Abraço
    Rodrigo Henriques

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho os seus receios, meu caro Rodrigo, mas a verdade é que não acredito que o PCP volte a dar um tiro no pé, apesar de ser essa a vontade dos dinossauros que por lá ainda pululam. ~

      Eliminar
  2. Carlos: para maior rigor do seu escrito, deixo o desafio deixado por Jerónimo, eram 22,00h, da noite das eleições: "neste quadro [de maioria relativa PSD/CDS], o Partido Socialista tem todas as condições para formar Governo". - See more at: http://www.rtp.pt/noticias/politica/filme-das-eleicoes-da-abertura-das-urnas-aos-discursos-finais_e863302#sthash.sOkUVlJd.dpuf

    Rodrigo, o que foi assinado (e será respeitado) deixa à responsabilidade do PS a execução do seu programa, com excepção dos pontos onde houve acordo. Nos pontos onde não acordados o PCP não silenciará as suas posições. Só isso, meu amigo.

    ResponderEliminar
  3. Foram as duas personagens da direita que entregaram o poder aos talibãs. Queriam mais votos e mais força. Eles são co-responsáveis pela destruição do país. Entregaram o governo do país à maior escumalha de sempre. Qualquer outra solução teria sido melhor, como aconteceu nos outros países. Está realmente tudo armadilhado e o zé povinho mediano não consegue entender, como é que se apoia o governo numas coisas e depois anda a dizer-se mal por fora. Isto não deixa ninguém sossegado. Até o sacana do portas agora depois de ter saído do governo vem dizer que não lhe podem exigir mais do que ele já deu em 16 ou 18 anos. Ainda por cima ficámos devedores a este cabrão. Malditos sejam, porque nada de bom nos espera. Está tudo armadilhado e não é só cá.

    ResponderEliminar
  4. ~~~ MUITO BEM, CARLOS! ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~~~~ J u s t í s s i m o. ~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  5. «Jerónimo, deve ter tido um trabalho hercúleo para convencer alguns dos dinossauros do comité central que, viabilizar um governo do PS, era a única solução para expulsar a direita do poder»

    Lá isso deve ter tido, e teve de engolir um sapo do tamanho do mundo já que nos últimos tempos atacou o PS impiedosamente. O curioso é que para o PCP o PS às vezes é um partido democrático e de esquerda, outras vezes é um partido que faz «políticas de direita». Em que ficamos? Posso estar muito enganado, mas esta contradição vai minar completamente este acordo.

    ResponderEliminar