quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Capados mentais

Eu não sei se este governo vai dar certo. Torço por isso mas, prever se vai durar quatro anos, ou apenas um, é mera futurologia. 
O que eu sei - e me entusiasma- é que a política voltou a ser empolgante e a mobilizar muita gente que andava  descrente. A AR recuperou a sua credibilidade e o governo deixou de ser representado por um grupo de fantoches treinados para dizer sim, porque os quatro partidos que o suportam mantêm a sua identidade e os seus deputados não se diluem nas ordens do chefe do governo.
Eu sei que um governo que diariamente é obrigado a procurar equilíbrios e consensos, não terá vida fácil, mas é bem mais estimulante ter um governo assim, do que um Paf onde um dos partidos se diluiu e perdeu a identidade, para defender os tachos de alguns.
O que eu sei - e me deixa feliz- é que depois de 53 meses governados por um grupo de depravados que todos os dias nos diziam que tínhamos de sofrer porque andámos a viver acima das nossas possibilidades e merecíamos ser castigados por isso, temos agora um governo que coloca as pessoas no centro das decisões.
Este governo não chama às pessoas piegas, não as convida a emigrar,  nem as trata como empecilhos e acima de tudo, não é sádico para  por as pessoas umas contra as outras.
Este governo é composto por gente empenhada em promover as condições de vida dos portugueses e não por um grupo de capados mentais que passou 53 meses a castigar o povo, movidos por ódios e vinganças geradas em traumas de infância
Havia gente honesta no anterior governo? Sem dúvida...mas esses não passavam de excepções e passaram quase despercebidos no meio da turba de fanáticos. 
Estamos a viver um dos períodos mais ricos da democracia portuguesa. Espero que ninguém a estrague e não surjam incompatibilidades insanáveis que dêem à direita oportunidade de vingança porque, se isso vier a acontecer, vamos ter tempos bem mais difíceis do que os últimos 53 meses.

18 comentários:

  1. Só depravados ?! Só capados mentais ?! É pouco, muito pouco para traduzir aquilo que sinto e alguns que me rodeiam sentimos . Todas as palavras , desde parvalhões , ignorantes , velhacos , cínicos , aldrabões etc são poucas para os classificar.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  2. Espero que o actual governo consiga o que se propôs. É outra gente, é uma aragem refrescante que há muito não sentia.
    Dos tais que durante 53 meses degradaram o País e o seu povo, quero distância. E que se possível, nunca mais detenham o poder.

    ResponderEliminar
  3. Rir é o melhor medicamento, Carlos.

    Visite:

    http://coisas-da-fonte.blogspot.de/2015/12/decisoes-divinas-uma-grande-ajuda.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já conhecia mas, de qq modo, obrigado pela sugestão, ematejoca.

      Eliminar
  4. Como parece que ninguém leu o seu último parágrafo onde - a meu ver - reside o cerne de todo o artigo e o grande motivo de preocupação e reflexão, também não serei eu que me irei manifestar.
    Assim, aproveito essa coisa de "capados", para lhe perguntar se se lembra daquela Crónica, magnífica, em que descrevia uma ida, da sua família e amigos, a Freamunde à Feira dos Capões e da exclamação daquela senhora - estrangeira - amiga de seus pais. Lembra-se?
    O Carlos era ainda um miúdo...Já se lembra?
    Pronto, mas ainda não era aí que eu queria chegar e sim à notícia de que o perú de Natal tem os dias contados!!
    Adivinhe quem vem agora para a ceia de Natal!...

    Janita

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Ematejoca...Não te vi quando cheguei!

      Vou já ver ao "Coisas da Fonte". :)

      Eliminar
    2. Eu lembro-me muito bem dessa Crónica, Janita!!!

      Como sempre uma excelente Crónica e um excelente comentário.

      Abração a ambos.

      Eliminar
    3. Não sei se não leram, ou se estão mais pessimistas do que eu, Janita. Quanto à crónica dos capões, obviamente que me lembro. Até este ano, que não pude ir a Freamunde comer o delicioso arroz de cabidela e o capão recheado, nem o pitéu fará parte da ementa do meu Natal, não deixei de lembrar esse episódio.

      Eliminar
    4. Não sei se não leram, ou se estão mais pessimistas do que eu, Janita. Quanto à crónica dos capões, obviamente que me lembro. Até este ano, que não pude ir a Freamunde comer o delicioso arroz de cabidela e o capão recheado, nem o pitéu fará parte da ementa do meu Natal, não deixei de lembrar esse episódio.

      Eliminar
  5. ~~~
    ~~ MUITO BEM, CARLOS!~~

    ~~~~~~ SUBSCREVO.~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  6. Concordo absolutamente!!
    Ah, mas vem aí mais um capado mental - o Marcelo, o papagaio hiperativo.

    ResponderEliminar
  7. Esta é a minha esperança. Que esta coligação faça renascer a alma dos portugueses e que dignifiquem a politica destes pulhas que agora foram derrotados.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Carlos aqui nestes comentários e´ referido pelo/a Janita uma crónica que escreveu sobre a Santa Luzia (feira dos capões) em Freamunde. Como sou habitante de Freamunde há 66 anos e interesso-me pelo que dizem sobre Freamunde gostava de saber onde posso adquirir essa crónica. Lamento que este ano não tenha podido vir aqui saborear o delicioso capão. http://coisasquepodemacontecer.blogspot.pt/2010/07/coisas-da-vida_3313.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Manuel Pacheco
      No domingo divulgarei novamente a crónica
      Abraço

      Eliminar
  10. Carlos, em que marcador está a "Crónica dos capões"? Gostava de ler. Estou cansada de procurar nos que julgo mais evidentes, mas ainda não consegui localizar. Obrigada e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Anfitrite
      No domingo realiza-se a Feira dos Capões e, nesse dia, recordarei a crónica.
      Entretanto, a leitora Janita já deixou o link na caixa de comentários do post Jarras, jarrões e jarretas.

      Eliminar