sábado, 19 de dezembro de 2015

Às vezes, o melhor é mesmo disfarçar...

A propósito desta notícia macabra, lembrei-me- para desanuviar- de uma estória que o HenriquAmigo me enviou há dias:

Chegado à Alemanha, um refugiado sírio encontra uma fada que lhe oferece a realização de três desejos.

"OK", diz o sírio que escapou de ser degolado pelo Estado Islâmico. "Desejo uma bonita casa..."

Plufft..., no mesmo momento uma bela mansão aparece na frente do flagelado. "É sua", diz a loura fada.

"Pô, mó legal, e para preencher a garagem, quero um daqueles carrões que só tem na Alemanha...!"

Plufft..., e um encorpado BMW da série 8 aparece estacionado dentro da garagem.

"Por Allah..., e agora o meu terceiro desejo: quero que você me transforme num alemão...!"

Plufft..., a casa e o carrão desaparecem.

"Ei fada, pelas barbas do profeta... cadê minha casa e o meu carrão, hein, hein?"


"Você agora é alemão, precisa trabalhar".

Pronto, está bem, eu sei que com coisas sérias não se brinca, mas depois de ler a notícia que abre este post, o melhor é mesmo fingir que não percebi a  sua gravidade e brincar com a situação.

4 comentários:

  1. A notícia é macabra e, provavelmente, falsa. Então a Dinamarca não é apontada como um exemplo de sociedade perfeita?

    Quanto à anedota, pois!...Sírio a falar com sotaqui brasilêro? Tá bem abelha!!

    Tenha umas Festas Abençoadas!

    Janita

    ResponderEliminar
  2. O refugiado devia dizer " alá aquebá ".......................deve estar cheia de erros , mas não interessa . Não sei a língua deles , não estou interessada em saber e povo que não respeita as mulheres detesto...Aliás , sempre ouvi o meu pai dizer , quem muito reza , pouco pensa.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  3. Eu consigo ver a razão dos dois lados. Pode parecer uma medida diferente. É, com toda a certeza. Mas não significa necessariamente que esteja errada. Não é a Dinamarca um dos países que costuma estar anos à frente em termos sociais? Talvez não seja de gozar, logo à primeira, com os argumentos apresentados.

    O ministro tem razão quando diz que existem encargos para os Dinamarqueses (mas não é a UE que paga TUDO?). Estamos em crise EUROPEIA, com dívidas a quem? À UE. (onde anda o dinheiro das dívidas e de onde vem o dinheiro para ajudar estes?).

    E uma questão importantissima que eles mencionam e que estamos a ignorar é os traficantes. Estamos a fazer exatamente o que estes desejam. E não vai parar. É como abrir as portas a uma barragem. Só que não estamos a falar de água, mas de pessoas. Pessoas que são aos milhões e estão convencidíssimas de que a Europa é o paraíso. Esta europa meio falida... que vai dar emprego a estas pessoas necessitadas, provavelmente não tendo muitas opções sem ser excluir outras pessoas que não estão na classe de refugiadas, mas não quer dizer que não estejam necessitadas.

    Isto tudo começou com os traficantes a ver nisto um negócio de riqueza rápida. E as guerrilhas também gostam da ideia de expulsar aqueles que teriam de matar. Querem ser os donos das terras e fazer os próprios países com as suas leis. Tiranos, portanto.

    Claro que a Europa pode até acolher, mas será insuficiente para acolher a quantidade que está a querer escapar. A solução passa por conseguir eliminar as guerras e permitir a estas pessoas viverem em paz nos seus locais de origem. Ouvi o Guterres dizer isto em Março e achei estranho, agora não acho mais. Uma espécie de «gettos»?? Mas faz sentido. Muito sentido, além de empobrecer a acção pernissiva dos traficantes. Porque estas pessoas estão quase sem opções. Ou ficam e vivem sob a tirania, ou fogem para a Europa-Encantada, onde todos os sonhos se realizam mal pisam esta terra europeia. Se eu fosse eles também escolheria fugir. Mas se existisse uma terceira alternativa, aumentava o leque de opções assim como enfraquecia o poder manipulador dos traficantes que extorquem dinheiro destas pessoas, não lhes dão garantias, por vezes assassinam-nas pelo caminho, violam as mulheres, espancam os homens, deixam-nos com fome, sede, roubam-lhes os poucos pertences que têm, metem-nos num barco com gasolina para percorrer metade do percurso e dão-lhes um telemóvel com o nº da capitania europeia para a qual ligar...

    Isto é revoltante!
    Se o ministro Dinamarques sofre um pouco de xenofobia e quer afugentar das suas terras os refugiados, isso é lá com ele. Mas não deixa de ter razão quando diz que uma mala de diamantes pode ser requisitada pelo governo... Mesmo supondo que cada refugiado é criteriosamente selecionado (será?) quem diz que não são pessoas mal intencionadas? Adicionar balúrdios de dinheiro a isso e não dá bom resultado.

    Acho bem alguma medida de prevenção e cautela.

    ResponderEliminar