segunda-feira, 20 de julho de 2015

Talvez não fosse má ideia, um novo muro de Berlim...



Antes de partir de férias disse a alguns amigos que, em virtude da crise, não estava certo se ainda haveria UE quando regressasse a Lisboa.
Aparentemente ainda existe, mas só no papel. A UE acabou no fim de semana em que o paraplégico hitleriano  cavou fortes dissidências entre os 19, ao querer impôr a saída da Grécia do euro, deixando claras as divergências entre Alemanha e França.
E se o facto de a UE ter deixado de falar a uma só voz é uma boa notícia, a verdade é que as divergências no seio do Eurogrupo deixarão feridas profundas.
Nunca, desde o final da segunda guerra, terá sido tão importante uma oposição forte aos desígnios da Alemanha que lançou a Europa para duas guerras absurdas e está a tentar consumar a terceira num tabuleiro de Monopólio, sem recurso a exércitos e sem disparar um tiro.
 Eu sei que comunistas e esquerda folclórica garantem que os partidos socialistas europeus em nada divergem dos liberais e conservadores mas, apesar de parecerem iguais, Hollande não é Sarkozy e a sua relação com Merkel assenta em bases bastante diversas do homem que o precedeu no Eliseu.
Para salvar a Europa, talvez não fosse má ideia expulsar a Alemanha do euro e  reconstruir o muro de Berlim. Estirpava-se de uma vez o cancro que é esse país onde criminosos e loucos acabam sempre no poder e ninguém estranharia a construção de mais um muro... afinal a Hungria está a construir um de 175 kms e 4 metros de altura na fronteira com a Sérvia e a Bulgária também já iniciou a construção de um muro na fronteira com a Turquia e ninguém parece preocupar-se com isso.
Não há pois razão para que, numa UE de condomínios privados, haja um administrador prepotente que obriga todos os condóminos a pagar quotas, mas não paga a sua e ainda tem o desplante de colocar na sua conta bancária, uma boa fatia das quotas dos outros. 
Se isto se passasse num país decente como o nosso, o juiz Carlos Alexandre e o procurador Rosário Teixeira já teriam decretado a prisão preventiva de Schaueble.

5 comentários:

  1. Carlosamigo

    O Francisco Seixas da Costa publicou nas suas duas ou tês causas um bom blogue e um bom Amigo uma frase do excelente futebolista que foi Gary Lineker, hoje comentador desportivo: "O futebol são onze contra onze e no fim ganha a Alemanha" Tiro e queda; será preciso mais? Viva a (des)União Europeia! Viva!

    Abç do alfacinha

    ResponderEliminar
  2. O que nos vale é o democrata Hollande com o seu governo Europeu constituido pela França,Alemanha,Itália,Bélgica,Holanda e Luxemburgo.Isso sim são ideias democráticas e nada nazis!

    ResponderEliminar
  3. "paraplégico hitleriano" é muito bom. :)

    ResponderEliminar
  4. «Para salvar a Europa, talvez não fosse má ideia expulsar a Alemanha do euro».

    Meu caro Carlos, sabia que até há um partido na Alemanha que propõe a saída da Alemanha do Euro? Sabia que o Euro foi uma ideia dos franceses proposta aos alemães, com o objectivo de comprometer a Alemanha com a Europa e ainda a ancorar mais a ela? É que a Alemanha mostrou enorme renitência em desfazer-se do Marco e só abdicou dele quando garantiu que a sede do BCE ficaria na Alemanha e que quem ditaria as regras do Euro seria ela. No lugar dela, tendo uma moeda forte, sendo o país que contribui com mais dinheiro para a UE, tinha feito exactamente o mesmo.
    Se Alemanha saísse do Euro, o Euro acabava de imediato. E quem iria perder mais com isso de certeza que não seria a Alemanha, antes pelo contrário, que voltaria a ter uma moeda forte e não seria obrigada a financiar ninguém, um pouco à imagem do Reino Unido.

    «haja um administrador prepotente que obriga todos os condóminos a pagar quotas, mas não paga a sua»

    Se calhar interpretei-o mal, mas pensava que a Grécia é que devia dinheiro e não a Alemanha.

    Quanto ao Schauble, não concordo com a visão que tem do mesmo. Aconselho-o a ler o artigo do José Manuel Fernandes no Observador para desmistificar a imagem que tem dele:
    http://observador.pt/opiniao/se-fosse-grego-tambem-me-sentia-humilhado-mas-nao-culparia-schauble/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Paulo Lisboa:
      Ponto 1- Claro que sei isso tudo, estava apenas a ser irónico...
      Ponto 2- Interpretou mal
      Ponto 3- Ler o Zé Manel Fernandes? Poupe-me, meu caro. Não leio imbecilidades de um aldrabão que forja notícias com acusações gravíssimas sobre políticos, em conluio com assessores de Belém e do governo. Esse energúmeno é um vigarista e um dia, se isso se proporcionar, terei muito gosto em contar-lhe pessoalmente algumas histórias interessantes sobre esse jagunço. Imbecil, por imbecil, antes a Helena Matos.

      Eliminar