quarta-feira, 29 de julho de 2015

Deputados objecto

Há dias a comunicação social noticiou a  integração de uma invisual na lista de Lisboa do PS e de um transexual  nas listas do BE por Setúbal, ambos em lugar elegível.
Saúdo inequivocamente a integração de deputados representando minorias ou movimentos fracturantes da sociedade e só lamento que em mais de 40 anos de democracia, a escolha de uma deputada invisual e de um transsexual seja notícia, porque isso revela que estamos ainda muito longe de atingir a maturidade democrática. Mas o  que verdadeiramente me encanita,  é ler as notícias e não ficar a saber quem são  a transexual, ou a invisual. O que fazem na vida? Quais as suas habilitações académicas e experiência política? 
Eu não quero ter na AR deputados objecto que os partidos escolhem para as suas listas com intuitos eleitoralistas. Quero pessoas que pensem. Independentemente de serem pretos ou  loiros com olhos azuis, testemunhas de Jeová ou ateus, miss Portugal ou sem abrigo, quero  ter na AR deputados capazes  que tenham ideias  e digam ao que vêm.  Sobre isso, fiquei sem saber nada através dos jornais.

7 comentários:

  1. Há alguma informação sobre a invisual, aqui:
    http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=4698667

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, António. Não tinha lido a entrevista e fiquei mais esclarecido.

      Eliminar
  2. Nisso, os italianos têm sido muito mais "democráticos" ainda me lembro da IIona Staller mais conhecida por Cicciolina, a artista porno húngara que esteve no Parlamento italiano entre 1987 a 1992, onde gostava de exibir os seus avantajados peitos de silicone, se isto de pertencer a minorias tem alguma coisa a ver com Democracia... vou ali e já venho. Aliás, o que mata a Democracia, é esta tendência para os fundamentalismos, perdermos a noção do que é, realmente, importante e entre, afastar as minorias ou acabar, por estar quase a chegar ao ponto, de só entrar quem pertencer a uma minoria, primeiro foi a ocupação de lugares, não por mérito mas por pertencer ao Partido, agora está a chegar a próxima moda e, talvez por isso, os jovens andem a ficar baralhados, os bons são os diferentes, toca a dar com a cabeça numa parede para garantir muitas audiências e muitos likes.
    Portanto, quanto a ser notícia, uma deputada invisual e de um transexual, eu penso exactamente o contrário do que diz porque, isso, apenas revela que estamos a ficar cada vez mais longe de atingir a maturidade democrática.
    Como dizia Albert Einstein "A diferença entre estupidez e génio, é que o génio tem seus limites"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordei plenamente consigo até ler http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=4698667
      Depois, não discordando, acho que a pessoa da candidata tem o seu valor facial.

      Eliminar
  3. Este seu grito, Carlos, é a luta contra uma sociedade depauperada.

    Abraço solidário.

    ResponderEliminar
  4. Carlos, hoje deu-me para ser reaccionária(?). Será que já não há liliputianos, ou serão eliminados quando se descobre o facto? Aqui na minha rua morava um, que conduzia, tirou medicina, mas não sei se foi para pediatra. Ás vezes estou tão amarga que até sabe bem um pouco de humor negro...Há lá tantos que a gente nem dá por eles e quando dá, não é pelas melhores razões. Há dias estava a leal do coelho a falar diligentemente e ao lado dela esta um a bocejar de tal maneira e durante tanto tempo que eu até lhe vi as amígdalas.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar