sexta-feira, 1 de maio de 2015

Estranha forma de defender os trabalhadores


Peço desculpa se incomodo algumas pessoas mais sensíveis, mas não consigo confiar num dirigente de uma central sindical que apoia a greve dos pilotos da TAP, mesmo sabendo  que a maioria dos outros sindicatos está contra.
Eu sei que o governo está a ser arrogante e teimoso, mas o sindicatos dos pilotos comporta-se da mesma forma com a sua intransigência que não contribuirá para salvar a TAP, mas sim para desvalorizar e destruir milhares de postos de trabalho.
Não posso confiar num dirigente de uma central sindical que defende a greve de um grupo profissional que está a pôr em risco milhares de postos de trabalho da TAP e se marimba nos apelos dos restantes trabalhadores para cancelar a greve, porque  estão apenas a velar pelos seus interesses e sabem não correr quaisquer riscos de ficar desempregados se a empresa falir.
Afinal, quais são os trabalhadores que a CGTP defende? Os mais favorecidos?
Não posso confiar em Arménio Carlos quando  se põe  em bicos de pés para dar entrevistas a um jornal do regime  e não se coíbe de afirmar que a TSU do PSD ( que apenas reduz a  parte dos patrões) é melhor do que a do PS que ( sendo à mesma muito controversa)  reduz  a TSU de patrões e trabalhadores.
Não posso confiar num dirigente  que usa a  CGTP  para fazer chicana política  e  servir de simples correia de transmissão do PCP  para atacar o principal adversário político, fazendo o jogo da direita.
Fazer do PS o maior inimigo, não é novidade. Dar lastro a um governo simplesmente porque se quer descredibilizar o rival, é canalhice de putos.
A CGTP  merecia um dirigente melhor. A UGT idem idem, aspas aspas.
Com dirigentes assim não admira que as pessoas se afastem cada vez mais do sindicalismo, uma das maiores conquistas dos trabalhadores.
Lamento mas,  no Dia do Trabalhador, não podia deixar de expressar a minha repulsa pelas declarações de Arménio Carlos a propósito da greve da TAP. 

11 comentários:

  1. Arménio Carlos é um exemplo a NÃO seguir.

    ResponderEliminar
  2. Deixe-me apoia-lo com todas as minhas forças, é como diz o Jumento no seu blogue "o sindicalismo morreu".

    Carlos Alberto

    ResponderEliminar
  3. O pcp, na sua feroz oposição ao Ps, acabou sempre por ajudar a direita. Penso que é uma política de terra queimada, própria de quem sabe que nunca será governo.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Subscrevo, totalmente, todas as palavras que escreveu! Neste caso, não tenho quaisquer dúvidas em formular a mesma pergunta:

    "Afinal, quais são os trabalhadores que a CGTP defende? "

    Janita

    ResponderEliminar
  6. Carlosamigo

    "Queira Deus que não aconteça à TAP o que já aconteceu noutras companhias aéreas!!!" DISSE UM DOS NOSSOS "QUERIDOS" (DES)GOVERNANTES. Que eu saiba Deus não dorme, apenas por vezes passa pelas brasas... ms não tem nada a ver com a greve dos pilotos da TAP.

    Porém, há um remédio: PROIBIAM-SE AS GREVES E já agora PROÍBA-SE A CONSTITUIÇÃO!!!

    Abç

    ResponderEliminar
  7. Estes senhores só se defendem a eles próprios. São de ideias fixas e só olham num sentido - têm palas no olhos como os ....

    ResponderEliminar
  8. "um dirigente de uma central sindical que apoia a greve dos pilotos da TAP"?

    Bem inventado!

    ResponderEliminar
  9. Fui sindicalista e fiz muitas greves.

    lamento dizer que actualmente estou desagradavelmente perplexa com as duas centrais sindicais , embora há muito mais tempo com a UGT.

    Tudo de bom para ti, amigo

    ResponderEliminar
  10. Não incomoda nada, mas em quem eu não consigo confiar é em quem está disposto a privatizar a TAP e, neste e em muitos outros sectores estratégicos a actuação do PS não difere em nada do PSD/CDS até ultrapassando-os.

    ResponderEliminar
  11. E eu a pensar que razões das fracas sindicalizações, se encontrariam no desemprego e na precariedade, que tornam os trabalhadores mais vulneráveis.e fragilizados, para além dos fretes ap patronato por uma central dita sindical para quebrar a espinha à GCTP/IN. Sem esquecer que a concertação social não poucas vezes leva os sindicalistas a esquecerem a sua origem e a adoptarem as formas de pensamento e actuação do patronato ! Muito mais que o "sorriso" ou a palavra mais ou menos de mansinho.

    ResponderEliminar