terça-feira, 28 de abril de 2015

Privatize-se o cachucho, o Eusébio e a Amália

Nos  dois últimos anos, o Oceanário deu lucro de  1,5 milhões de euro por ano. As previsões apontam para um crescimento das receitas nos próximos anos.
O que decidiu fazer o governo? O mesmo que faz com todas as empresas que dão lucro: entregar as mais valias ao sector privado.
Moreira da Silva, ministro do Ambiente, esclareceu que o governo decidiu concessionar a exploração do Oceanário por um período nunca inferior a 30 anos, estimando que o Estado arrecade uma verba a rondar os 40 milhões de euros. Basta fazer as contas para se perceber  que é um negócio do caraças para o concessionário, mas Moreira da Silva quis descansar os portugueses e garantiu que o edifício, a água e os peixes continuarão a pertencer ao estado. Acho mal! Deviam privatizar também o cachucho, o Eusébio e a Amália, porque sempre davam mais uns trocos.
Alto e pára o baile! Quando sugiro a privatização do Eusébio e da Amália, refiro-me às lontras do Oceanário - também já falecidas -  não aos que estão a caminho do Panteão Nacional. A privatização desse lugar de luxúria, demonstração inequívoca de que continuamos a viver acima das nossas possibilidades, sustentando um monumento que só serve para alojar mortos*é matéria que será tratada pelo próximo governo PSD/CDS. 

*Quem será o ministro escolhido para proferir esta frase?

5 comentários:

  1. ´Próximo governo PSD/CDS? Vade retro!

    ResponderEliminar
  2. Tenho a certeza que o genro e família do graveto silvado já está a criar mais uma firma fantasma para ficar como o Oceanário, como ficou ilegalmente com o pavilhão Atlântico. Ainda bem para mim, que nunca mais lá os os pés, até ignoro o novo nome,
    mas a jovem maralha do costume e os sem miolos, continuam a assentar lá atraiais, para extraditar todo o nosso dinheiro, para os corcundas que continuam cá a vir. Será que hoje ainda dá prazer ouvir o Keith Richards, que em tempos afirmou que até snifou as cinzas do pai? Agora vem cá outro cangalho, de quem eu gostei muito, mas a quem o valente DR. Mário Soares proibiu a realização de um seu concerto, em 1983, para impedir que saíssem divisas do país, pois ele só vinha ganhar 40 mil contos. Enfim é globalização dos ricos e a miscigenação dos pobres.
    Mas voltando ao Oceanário pode ser que ainda haja uns momentos de fartura, quando os novos donos decidirem vender por tuta e meia os velhos, doentes e moribundos habitantes do mesmo. Infelizmente já cá não estarei, e os novos ricos, políticos, pilotos, que eu conheço, que habitam a Alameda dos Oceanos, não deixarão entrar lá a escumalha faminta. Também convém esclarecer que o dinheiro arrecadado não vai ser para amortizar as dívidas da Parque EXPO, pois já não tem nada uma coisa a ver com a outra.
    Grandes bandalhos! Espero que alguém entretanto meta uma providência cautelar para evitar que eles façam isto antes da saírem do desgoverno, como já prometeram.

    ResponderEliminar
  3. ~~ Ninguém faz nada?!!

    ~~ Já não há pachorra que ature!!
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  4. Não privatizarem o oceano já não é mau de todo.....

    ResponderEliminar