sexta-feira, 10 de abril de 2015

Os indignados

Há muita gente incomodada no PS, porque António Costa terá, supostamente, feito abortar a escolha de João Proença para suceder a Silva Peneda na presidência do Conselho Económico e Social. Facto que já foi desmentido, mas não deixa de merecer alguma reflexão.
Tendo em consideração o passado de João Proença na defesa dos direitos dos trabalhadores, a decisão de António Costa parece-me sensata e não- como argumentam alguns seguristas- movida por sentimentos de vingança. Entregar a presidência do CES ao ex secretário geral da UGT era lançar  pela janela milhares de votos de trabalhadores.
Igualmente razoável é a proposta de adiar para depois das legislativas a escolha do sucessor de Silva Peneda, propondo que o lugar seja ocupado, até à nomeação do sucessor, por outo membro do CES. Se vivemos há cinco anos sem um presidente da república, qual é o problema de ter um presidente do CES em regime de substituição, durante uns meses? 
O PSD rejeita esta possibilidade, alinhando com os seguristas. Quer que a  AR escolha já o sucessor de Silva Peneda. Compreende-se. Dava-lhe imenso jeito, mas o problema é que precisa de dois terços dos votos e isso não está ao seu alcance, sem o apoio do PS.
Obviamente que também compreendo o incómodo e a indignação dos seguristas. Ter um apoiante do ex-lider à frente do CES seria uma mais valia para a estratégia de desgaste de Costa -  a sua principal ambição. Esgrimir  o  argumento do "saneamento" de Proença, apesar de patético, colhe a simpatia de alguns incautos. 
Bem diferente, porém, será o desejo da maioria dos portugueses que se querem ver livres deste governo e dos seus aliados. Pelo menos foi o que entendi quando militantes e simpatizantes do PS elegeram António Costa.


3 comentários:

  1. João Proença sempre foi um pançudo, que serviu de muleta aos governos para lançarem todas as medidas contra os trabalhadores. A prova disso é que hoje restam apenas poucas dezenas de milhares de trabalhadores abrangidos por CCT que os defendam. Começou com o Torres Couto e agora veio um sabujo ainda bem pior, que só representa, e mal, os bancários e sempre que abre a boca só diz asneiras. Estamos todos abandonados à nossa desdita e sem esperança em algo melhor. O governo começou em força e servindo-se de todos os meios mediáticos, a vergonhosa, insidiosa e mentirosa campanha eleitoral, para enganar todos os iletrados e ignorantes que ainda acreditam em amanhãs que cantam. Silva Peneda que é um social-democrata, mas não desta canalha que nos governa, tem exercido o cargo dom dignidade.
    Infelizmente o governo, antes de sair, quer ocupar e acabar com tudo o que resta deste pobre Portugal. A tristeza já se apoderou de mim.

    ResponderEliminar
  2. São este tipo de actuações partidárias que contribuem para o
    descrédito dos partidos como base da nossa Democracia!
    O Proênça está na altura de se retirar pois, recebeu muito mais
    da política do que aquilo que fez pelos trabalhadores que, vá go-
    zar as sua imerecida reforma ... não tem perfil para a função!
    Aliás, parece não ter sido compreendido o gesto apaziguador de
    António Costa após ter sido eleito, não se percebe as "lealdades"
    doentias a qualquer antigo lider isto, se um partido como o PS
    foi formado com princípios já esquecidos ... há muita tralha que
    só atrapalha!!!

    ResponderEliminar
  3. Costa se não vetou poderia muito bem ter vetado o nome de João Proença , porque ser condecorado pelo reformado de Boliqueime depois do acordo que fez com Passos e aceitar é péssimo !

    É por causa destes jogos partidários estúpidos que o PS não arranca nas sondagens ...
    Amigo, bom fim de semana

    ResponderEliminar