sábado, 25 de abril de 2015

A minha " Primeira Vez"

Era uma soalheira manhã de Primavera, que apelava aos sentidos. Estava trajado a rigor e a custo disfarçava o nervosismo provocado pela ansiedade da minha primeira vez . Na sala havia uma fila de homens à minha frente, aguardando. Muitos eram jovens como eu e não tinha dúvidas que para eles também seria a primeira vez. Tal como eu, disfarçavam o nervosismo contando anedotas e algumas histórias de uma vida ainda com muito para desfiar. Alguns, mais velhos, tranquilizavam-no.:
"É natural que estejam nervosos, mas vão ver que vale a pena." -avançou um "Tomara eu que a minha primeira vez tivesse sido assim"- disse um velhote ao passar por nós. Outro, emigrante, afiançava:" Em França é que é bom!"
Todos olhavam para o meio da sala onde ela se expunha, apelativa, aos nossos olhares gulosos. Era linda e deixava-nos em devaneio cada vez que repousávamos o olhar sobre ela.
À medida que me aproximava e lhe percebia melhor os contornos, imaginava o momento emocionante. Assim que depositasse naquela fenda todo o vigor da minha vontade, iria aprender a ser homem!
Finalmente chegou o momento. Aproximei-me, trémulo. Uma senhora aparentando 40 anos olhou-me com um sorriso. Estendeu-me um papel e disse-me:
- "Vá até àquela cabine, preencha o papel e volte cá".
Assim fiz. Quando saí, as pernas tremiam-me. Abeirei-me dela. Olhei-a com enlevo e, num gesto súbito, penetrei-a com vigor, manifestando-lhe o meu desejo e pedindo-lhe para não me desiludir .
Tinha acabado de votar pela primeira vez na minha vida.
Faz hoje 40 anos!

10 comentários:

  1. Carlos, que pena que tenha penetrado numa urna!

    ResponderEliminar
  2. A "primeira vez" de tantos de nós!! Não dá para esquecer!

    25 de Abril SEMPRE!

    ResponderEliminar
  3. E que nunca a deixemos de "penetrar"... Liberdade, sempre!

    ResponderEliminar
  4. Na minha primeira vez, a minha mão não tremia
    Era mais novo que a tal senhora, tinha trinta

    (desde então
    fui sempre presidente de mesa, em cada eleição)

    ResponderEliminar
  5. O seu texto está provocante, aliciante e inteligentemente bem escrito.
    Não imaginando o k daqui iria sair, "sabia", todavia, k não iria falar da "sua primeira vez".
    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Pois, a minha 1ª vez não foi assim tão brusca, foi mais de entrega...entreguei o voto ao presidente da A. de Voto e, ele sim, introduziu-o na urna, em troca da apresentação do meu BI e cartão de eleitora (com um nº baixíssimo). Tudo tem contrapartidas neste mundo. ;)

    ResponderEliminar
  7. E não te desiludiu, quem te desiludiu foram os homens, que são sempre pouco fiáveis .
    Embora haja excepções, claro .

    Amigo, o teu texto está muito bom, mas isso já é costume.

    Bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Resta-me acrescentar : a nossa primeira vez foi em simultâneo! rrss

      Eliminar
  8. Carlos , confesso que enquanto lia o seu texto, pensava que se estava a referir a uma fila de espera para ver um filme pornográfico. Afinal durante o tempo da ditadura a pornografia era proibida. E após o 25/4, houve inúmeras filas em cinemas de filmes pornográficos, como o Olímpia, o Odéon, o animatografo do Rossio e mais um ou outro que agora não me lembro do nome, que em Lisboa passavam as tais fitas pornográficas.
    Folgo em saber que exerceu o seu direito e dever cívico com esse fervor, afinal foi também para isso que se fez o 25/4. Por isso custa-me e revolta-me imenso que haja taxas de abstenção tão elevadas nos dias de hoje. O poder votar livremente era uma coisa que não existia no tempo da ditadura e infelizmente já se dá pouca importância a essa conquista.

    ResponderEliminar
  9. Foi só uns anitos mais tarde.
    Mas se não houvesse essa primeira vez do carlos, e de tantos Carlos, também não tinha havido a minha

    ResponderEliminar