segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

O ópio do povo

No culminar de uma semana em que o futebol exaltou muito fervor clubístico e ocupou o centro das discussões, sobrepondo-se ao debate político,  pareceu-me oportuno recuperar este cartoon de  Rodrigo de Matos, publicado há tempos no Expresso.
Vencedor do Press Cartoon Europe, retrata a forma como o apuramento de Portugal para o Mundial de futebol do Brasil distraiu as pessoas da grave situação económica e social que o país atravessa(va).
Agora que o Benfica já pode encomendar as faixas de campeão, é tempo de as pessoas se concentrarem no que é realmente importante para o país.

8 comentários:

  1. Encomendar as faixas de campeão, Carlos?
    Ganhou quem marcou.
    Não vai ser sempre assim.
    Aquele abraço, votos de boa semana

    ResponderEliminar
  2. Carlos, já escrevi aqui que é lamentável darmos este destaque todo ao futebol, mas as coisas infelizmente são mesmo assim. O Carlos diz e bem que o país atravessa uma grave situação económica, é verdade, mas desde que eu me conheço e já vou na meia idade, que tem sido sempre assim, salvo raras excepções.

    Também não é só o futebol que serve para distrair as pessoas, os períodos de férias de Verão e de Natal, em que anda toda a gente alienada, com viagens ao Algarve, ao Brasil e às Caraíbas etc. e a gastar dinheiro em prendas de Natal, servem esse propósito. Às vezes apetece-me perguntar: Mas somos um país sem dinheiro e em crise ou não?

    Posto isto gostava de pegar numa frase sua:
    «Agora que o Benfica já pode encomendar as faixas de campeão»

    Não pode. E sabe porquê? O campeonato tem 34 jornadas, ontem foi a 13.ª jornada e para mim não há campeonatos ganhos ou perdidos à 13.ª jornada. Faltam 21 jornadas para o campeonato acabar. Há ainda 63 pontos em disputa, portanto muitos pontos para ganhar ou perder.

    O Jogo de ontem foi uma vitória muito importante para o Benfica, mas não decisiva, apenas encaminhou melhor o campeonato para o Benfica e nada mais. Ou se preferir, o meu avô dizia com razão e não me consigo esquecer-me disso: «Até ao lavar dos cestos é vindima».

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulo Lisboa: de facto sempre temos estado em crise, mas já estivemos muito mal e agora não temos salvação, porque nunca nos alienamos ao ponto de ficarmos sem nada. Por alguma razão a Inglaterra não entrou no euro (não foi por vingança por a França durante muitos anos ter impedido a sua entrada na CEE). Nós não deixaremos de existir, a não ser que haja uma catástrofe natural, mas vamos ter que amargar muito e muito mais do que já sofremos, porque não há milagres, apesar dos juros, terem estado muito baixos por motivos conjunturais. E quando oiço falar em férias para o estrangeiro até fico agoniado. Não sei se se lembra, ou se é do tempo em que o Dr. Mário Soares proibiu um concerto do Júlio Iglésias, para não saírem divisas do país. Agora todos dias há concertos no pavilhão comprado por tuta e meia pelo genro do cavaco. Enfim há a globalização e agora o mexilhão está no fundo do mar.

      Eliminar
    2. «Não sei se se lembra, ou se é do tempo em que o Dr. Mário Soares proibiu um concerto do Júlio Iglésias, para não saírem divisas do país».

      Infelizmente lembro-me disso. Na altura andávamos mesmo à míngua.
      Não quer dizer que agora a situação seja muito melhor, mas há o crédito, os empréstimos, a globalização etc. Portamo-nos como aqueles pelintras que andam de Mercedes pagos a prestações e a fazer vida de rei, mas em casa só comem pão com manteiga. Perdeu-se a noção do que é realmente importante.

      Eliminar
  3. Pegando no provérbio acima digo eu: "Candeia que vai à frente alumia duas vezes"!

    Bj

    ResponderEliminar
  4. Ia referir o que o Paulo Lisboa já escreveu. Falta muito para encomendar as faixas. No entanto, e como diz a Ju, "Candeia que vai à frente alumia duas vezes".
    Por outro lado, é sempre tempo de nos concentrarmos no que é realmente importante.
    Seja o futebol, o fado, Fátima ou outra coisa, o país está primeiro.

    ResponderEliminar
  5. Tem sido uma vergonha com o futebol. Os quatro canais de informação só transmitem e retransmitem futebol na hora em que sempre foi suposto ter outros programas de entrevistas e de criticas. Uma pessoa só pode estar relativamente informada se ouvir de todos os lados. Agora até o dr. Marcelo resolveu alienar as pessoas com os seus comentários mais que parciais, mal informado (não pode ter tempo para tudo), até o DR. Morais Sarmento o desmentiu categoricamente, quanto à televisão, e ele sabe do que fala porque teve o pelouro e participou na pseudo reestruturação da RTP, com vista à privatização. Memorando esse que nem chegou a ter valor. Como é possível um homem ganhar tanto dinheiro e andar a fazer as afirmações que faz. Ontem, para não meter mais água, só citou PPereira. Mas infelizmente, o povinho tem o que merece. FFF. Como escrevo de supetão não estou para perder tempo em ser mais minuciosa. E o Carlos sabe bem o que diz. Agora o Zé só ouve o que quer e até interpreta Segundos Parágrafos à sua maneira, até se esquecem de quem quis ir além da troica e do barril de vinho, que ganhou o lugar na EDP, que negociou o memorando da troica e que impôs certas condições.

    ResponderEliminar