segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

O aborto

Os ataques a Miguel Poiares Maduro vieram do seio da própria maioria. Marques Mendes e Morais Sarmento  dizem que o CGI está morto e enterrado e a solução de Maduro é um aborto.
Só que, neste caso, não se trata de aborto espontâneo. Os responsáveis são um ministro feito à pressa e o seu adjunto Lomba, que ainda não conseguiram, desde o início do seu mandato, tomar uma medida consensual. Lembram-se do desastre dos briefings, apontados como exemplo de inovação e transparência, que desapareceram mergulhados em contestação externa e no próprio seio do governo?  

4 comentários:

  1. O CGI é uma treta. Quem nele pensou estaria certamente distraído ou, o que é mais provável, a fazer de conta.
    Briefings? Oh yes, a a big shit.

    ResponderEliminar
  2. Ora bolas! Ao ler o título do post, "O aborto", pensei que iria referir-se ao sr. que ocupa o palácio de Belém e de quem dizem que é P.R.

    ResponderEliminar
  3. Tudo bem lembrado: Maduro e Lomba, duas apostas falhadas do pantomineiro-mor, mas que não destoam neste governo de anões.

    ResponderEliminar
  4. Esta treta do CGI foi mesmo um nado-morto :(

    ResponderEliminar