segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Espírito (pouco) natalício.

Quero lá saber que os tugas sejam muito generosos e solidários, sempre dispostos a contribuir em peditórios que enchem os bolsos dos merceeiros do Continente e do Pingo Doce.
Quero lá saber que os tugas adorem aliviar a consciência, brincando à caridadezinha. 
Qual é a importância desse gesto se depois reagem violentamente contra aqueles que fazem greves para defender o seu ganha pão ( e às vezes os interesses  do país) e não terem de viver do subsídio de desemprego ( quando há...) nem da caridade dos outros?

4 comentários:

  1. Os tugas sempre a olhar para o seu umbigo...

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo e assino !
    Meu amigo desejo-lhe sempre o melhor e não é só no Natal :)
    Boas Festas !
    beijinho com amizade

    ResponderEliminar
  3. Nós nunca nos entendemos, por isso é que temos passado por fazes tão difíceis. Até os grandes feitos foram feitos com cadastrados, à base de bordoada. Enquanto os outros amealharam, o que roubaram, nós fomos destruindo tudo. Até o nosso direito de existir, como País, foi comprado ao Papa. E de caridade já nem posso ouvir falar. Uns limpam a consciência e outros amealham. Não se esqueça que o governo também amealha, em grande parte 23%. Veja também o rico currículo de uma dama da caridade que percorre o Mundo à custa dum banco alimentar.

    ResponderEliminar
  4. Não se percebe.
    Concordo com o seu texto.

    ResponderEliminar