sábado, 11 de outubro de 2014

Uma questão de (boa) fé

Passos Coelho reconheceu o erro de Crato, mas disse que foi um erro de boa fé.
É altura de lembrar que os portugueses, quando se endividaram, também o fizeram de boa-fé, porque não esperavam que viesse um governo roubá-los.
O mesmo raciocínio se aplica aos que compraram acções do BES, confiantes no valor da palavra do pm e daquele empecilho de Belém. (Ingénuos!...)
Estamos conversados. Confirma-se o (a falta de) caracter  do primeiro ministro. Nada de novo portanto.

5 comentários:

  1. Erro de boa fé?! E o jogo semântico na AR também é de boa fé?! Caramba, que é necessário um enormíssimo descaramento!!! Seria melhor nem abrir a boca!!

    A lista de processados da Tecnoforma, segundo a RTP-Informação, inclui agora , além de Poiares Maduro, Pacheco Pereira e Ana Gomes.


    Bom sábado, amigo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E Clara Ferreira Alves que fez a entrevista.

      Eliminar
  2. A fé já não é o que era e a honra e a palavra dada também.

    beijinho e bom fim de semana amigo Carlos

    ResponderEliminar
  3. Crato pôr o lugar à disposição. O que terá levado Coelho a não aceitar a sua saída?

    ResponderEliminar
  4. E do escavacado de Belém. Um espantalho!!

    ResponderEliminar