segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Os pecados de Marina Silva







Tal como  em 2010, Marina Silva ficou-se pela primeira volta com cerca de 21% dos votos. Há no entanto uma grande diferença: em 2010, Marina saiu como vencedora. Este ano, sai como grande derrotada das eleições brasileiras.
Quando  em 2010 abandonou o PT e decidiu candidatar-se, as  sondagens davam a Marina Silva entre  2 a 5 por cento dos votos.  Foi subindo e, no dia das eleições, surpreendeu o Brasil com uma votação inesperada, superior a 20%.
Em 2010, Marina Silva não era ainda uma “política”, mas os brasileiros  reconheceram a sua luta ao lado de Chico Mendes e premiaram a sua acção à frente do ministério do ambiente, que  a guindou a figura de destaque internacional, cumulada de prémios de reconhecimento do seu papel na defesa do desenvolvimento sustentável.  Conquistou  votos à direita e à esquerda e lançou um sério aviso ao PT, que foi obrigado a corrigir alguns desvios  para confirmar a vitória de Dilma Roussef na segunda volta.
O que se passou este ano foi radicalmente diferente.  Marina Silva voltou a ser uma candidata surpresa, mas por motivos muito diferentes.  Era segunda figura do PSB – que aproveitou a sua popularidade para alargar o leque de eleitores em  Eduardo Campos-  e só entrou na corrida, na sequência da trágica morte do candidato do PSB.
As primeiras sondagens apontavam para a possibilidade de vencer Dilma na segunda volta. Marina deslumbrou-se e cometeu uma série de asneiras.
Começou por afastar algumas figuras de topo  próximas do candidato do PSB e rodeou-se de nomes pouco recomendáveis da direita brasileira, nomeadamente na área económica. Os liberais ganharam tal peso na sua equipa, que até o Financial Times a elogiou. Renegar  a  identidade  que lhe permitiu granjear simpatias em vastas franjas do eleitorado, foi o seu primeiro pecado.
O segundo pecado  foi  contrariar as posições do PSB  em matérias delicadas como o aborto  e o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Ao reescrever o programa de governo, por pressão da Igreja Evangélica, Marina Silva demonstrou que cedia facilmente a pressões e era uma candidata facilmente moldável e  permeável. Como aqui escrevi no dia 1 de setembro, Marina Silva passou de esperança a desilusão. Pagou um preço elevado por isso.
Finalmente, o terceiro pecado, foi a postura que adoptou  durante a campanha.  Segui a campanha e vi dois dos debates. Percebi  que, afinal, Marina Silva não tem ideias. É um conjunto de slogans colados com cuspo. Para tentar esconder as suas incoerências e contradições,  Marina privilegiou o ataque a Dilma, atacando a sua idoneidade, a sua honestidade e pondo em causa programas bandeira do PT. Espalhou-se!
Após as eleições, Marina cometeu mais um pecado que, provavelmente,lhe  terá retirado a possibilidade de um dia chegar ao palácio do Planalto: optou por não manter a neutralidade de 2010 e declarou o seu apoio a Aécio Neves.  É um apoio baseado no ódio a Dilma, que foi cimentando ao longo da campanha. Ou, então, vingança Só uma destas razões explica que Marina apoie o candidato que, pelo menos no discurso, é radicalmente diferente dos princípios que diz defender. 
Ao contrário do que em tempos cheguei a admitir, Marina Silva é demasiado frágil a nível intelectual e politico, não tem capacidade nem estofo para gerir um país com a dimensão do Brasil que se quer afirmar, definitivamente, como grande potência mundial.
Marina derrotou-se a si própria, quando mostrou aos barsileiros que seria uma boneca de trapos nas mãos  dos interesses conservadores da Igreja Evangélica, muitas vezes ligados ao pior do capitalismo e da ideologia ultra liberal. Ainda bem. O Brasil ficou a ganhar.
Próximo post: o erro de Dilma

8 comentários:

  1. Sobretudo não era uma candidata empolgada nem empolgante!

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
  2. Marina é um Marinho de saias... à escala brasileira.
    Marina esteve tanto tempo no PSB quanto Marinho no MPT e "povão" não lhe perdoou aquele deslize que a retratou

    ResponderEliminar
  3. No actual panorama, quer Dilma quer Aécio, vão precisar de Marina para entrar no Palácio do Planalto à vontade.

    ResponderEliminar
  4. Marina não tinha capacidade emocional e politica para ser Presidente do Brasil e felizmente soubemos mostrar isso nas urnas Agora é provar também que é hora de alternar o poder e livrar o País da corrupção que cresceu e tomou forma durante o atual governo.Vamos aguardar pra ver!

    ResponderEliminar
  5. Aécio ou Dilma???

    Em todo caso, a palavra final é de Marina!!!

    ResponderEliminar
  6. Com tanto "pecado", Carlos, Marina já não vai para o céu...Aleluia!

    ResponderEliminar
  7. Ontem, uma brasileira comentava comigo que Marina seria uma espécie de Dilma.
    Sem a força e a coragem do original.
    E a cópia não convenceu, é a conclusão a retirar dos resultados.

    ResponderEliminar
  8. « Marina Silva é demasiado frágil a nível intelectual e politico, não tem capacidade nem estofo para gerir um país com a dimensão do Brasil que se quer afirmar, definitivamente, como grande potência mundial».

    Tinha escrito mais menos isso, comentando um artigo seu, salvo erro de 1 de Setembro.
    O que me causou admiração não foi o resultado dela, mas as sondagens que ela ia tendo.

    ResponderEliminar