quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Os jornais falharam o alvo. O culpado é o cobarde, não é o teimoso!



A imprensa de hoje dá destaque à notícia de que Pedro Passos Coelho não demitirá Nuno Crato, apesar da bagunça que lançou nas escolas.
Não é nenhuma surpresa. Por isso, não devia ter sequer honras de notícia. Muito menos de primeira página. 
Dar relevo à teimosia de Passos é o mesmo  que dar notícia sobre um cidadão que pisou cocó de cão  numa rua de Lisboa. É tão banal, que não merece ser notícia
A questão não está em saber se o pm deve demitir Crato. PPC é teimoso, nunca demitiu um ministro e não seria agora, a meses das eleições legislativas que o iria fazer. Além disso, quem iria aceitar um lugar inquinado pela incompetência? Só um boy igualmente incompetente, sequioso de enriquecer o curriculum com o desempenho do cargo. Como diz o povo " p'ra melhor está bem, p'ra pior já basta assim".
O que deveria ser  notícia é a razõa do apego de Crato ao lugar. Qualquer pessoa com um mínimo de vergonha na cara teria  apresentado a demissão após o primeiro erro na colocação dos professores ou, “in limine”,logo após a bronca da última sexta-feira.
Se Crato tivesse um mínimo de dignidade e sensibilidade, reconheceria que prejudicou gravemente professores, familiares, alunos e pais.
Só que o ministro da educação não tem nem vergonha, nem dignidade, nem sensibilidade. Só vaidade. Optou, por isso, por imolar o Director-Geral , pessoa da sua confiança. Depois, para se justificar, optou por brincar com as palavras.
A conduta indigna do ministro é que deve ser motivo de notícia. Um cobarde como Crato não tem estofo, nem perfil, para ser ministro. E só razões muito fortes ( que vão para além da vaidade, da falta de vergonha e da insensibilidade do ministro) podem explicar a razão de se manter colado ao lugar. Era essas razões que eu gostava de conhecer. Enquanto ele está lá e não depois dele sair, chutado pelos portugueses.
Pedro Passos Coelho pode ser questionado pela sua escolha e pela teimosia em manter Crato à frente do ME, mas o cerne da notícia não é o teimoso. É o cobarde que se aproveita da sua fraqueza. 

5 comentários:

  1. Deixar que Passos se fique pelo epíteto de teimoso,
    só pode ser gozo
    ele é o responsável máximo dos covardes
    e outros alarves

    ResponderEliminar
  2. Culpados são os dois, Carlos. Se Crato não presta, Passos envergonha-nos como 1º ministro. O governo por ele pretensamente liderado, em boa verdade, nem sequer existe. Senão vejamos: temos uma equipa pretensamente liderada por um pantomineiro, secundado por um vice-pantomineiro, duas anedotas a fazer de ministros Crato e a a Loura), mais uns quantos que simplesmente não contam (o Machete, a Cristas, o Aguiar Branco, o Lambretas e o Maduro verde) e sobram uns 4 indivíduos aproveitáveis, os necessários para jogar uma suecada, mas não para formar um governo.

    ResponderEliminar
  3. Se fossem ambos para o quinto dos infernos... aí é que ficávamos bem! E que levassem os outros todos com eles!!

    ResponderEliminar
  4. Quando estava a ler estava a pensar exactamente o que o Carlos conclui - muito mais que PPC demitir o ministro, este é que já se devia ter demitido.
    Se tivesse vergonha na cara era o que faria.

    ResponderEliminar
  5. Temos um governo agarrado ao poder com unhas e dentes, a única justificacao que encontro para tal apego, só pode ser a incompetência arrogante que lavra pelos corredores onde fazem pseudopolitica. Quem tem dignidade não se mantém em lugares onde não é desejado... Crato não tem qualquer legitimidade política e ética para continuar à frente do MEC, pois a continuar, assistiremos à degradação total da Escola Pública, pois a parcial já aconteceu.

    ResponderEliminar