quinta-feira, 25 de setembro de 2014

O percalço

A ministra da justiça declarou, na AR, que a justiça estava a funcionar, o problema do Citius tinha sido apenas um percalço e que até se admirava se não houvesse percalços neste processo de reforma. 
A ministra tem uma lata interminável e não parece estar muito preocupada, mas o comunicado de ontem do Plenário do Conselho Superior de Magistratura- reunido em sessão extraordinária-  não só desmente a ministra, como é bem claro quanto à dimensão do percalço.
Aqui fica um excerto:

"(...)O Conselho Superior da Magistratura está ciente de que é essencialmente devido ao esforço
dos Magistrados e Oficiais de Justiça, com a compreensão dos Senhores Advogados e dos
cidadãos em geral que se tem procurado garantir a realização de diligências e actos processuais
em processos urgentes ou previamente agendados. Também está ciente de que este esforço não
pode prolongar-se indefinidamente e de que as intervenções até agora efectuadas pelo IGFEJ
ainda não permitem o acesso a todas as funcionalidades do CITIUS nem a tramitação normal de
todos os processos ou a correcta distribuição dos processos por Juiz e unidade orgânica.
Com sentido de dever e com espírito de colaboração institucional, o Conselho Superior da
Magistratura irá solicitar uma reunião com Sua Excelência a Senhora Ministra da Justiça para
reiterar as preocupações e posições do Conselho sobre a necessidade de urgente definição de um
plano para a normalização da actividade dos tribunais (...)"

3 comentários:

  1. Estes ministros tiraram o diploma no mesmo sítio, a lábia é a mesma.
    São dotados de uma lata!

    ResponderEliminar
  2. O problema dos percalços dessa gente é que afectam milhares de pessoas e implicam perdas de milhões nem sempre possíveis da calcular...não se resolvem percalços desses com palavras, ocas, de arrependimento

    ResponderEliminar
  3. Forças de bloqueio, Carlos.
    Não era assim que o outro lhes chamava??

    ResponderEliminar