quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Algarve proibe uso de burka e chador



«Faço saber que pelo regulamento policial deste Governo Civil, de 6 do corrente mes, com execução permanente, aprovado pelo governo, determino o seguinte:
Artigo 32º – É proibido nas ruas e templos de todas as povoações deste distrito o uso dos chamados rebuços ou biôcos de que as mulheres se servem escondendo o rosto.
Artigo 33º – As mulheres que, nesta cidade, forem encontradas transgredindo o disposto no precedente artigo serão, pelas vezes primeira e segunda, conduzidas ao comissário de polícia ou posto policial mais próximo, e nas outras povoações à presença das respectivas autoridades administrativas ou aonde estas designarem, a fim de serem reconhecidas; o que nunca terá lugar nas ruas ou fora dos locais determinados; e pela terceira ou mais vezes serão detidas e entregues ao poder judicial, por desobediência.
Parágrafo único – Esta última disposição será sempre aplicável a qualquer indivíduo do sexo masculino, quando for encontrado em disfarce com vestes próprias do outro sexo e como este cobrindo o rosto.
Artigo 34º – O estabelecido nos dois precedentes artigos não terá lugar para com pessoas mascaradas durante a época do Carnaval, que deverá contar-se de 20 de Janeiro ao Entrudo; subsistirão, porém, as mesmas disposições durante a referida época, em relação às pessoas que não trouxerem máscara usando biôco ou rebuço.
 Artigo 41º – O presente regulamento começa a vigorar, conforme o disposto no artigo 403º do código administrativo, três dias depois da sua publicação por editais
– Governo Civil de Faro, 28 de Setembro de 1892. – Júlio Lourenço Pinto.»

Pensando bem, não foi assim há tanto tempo. O que são 120 anos num país com quase 900 anos de História?

14 comentários:

  1. E , religiosamente, ainda temos as mulheres todas tapadas: eu vi freiras em colónias de férias tomando conta de crianças vestidas como se estivessem dentro do convento!!!

    Há mais semelhanças entre os povos do que aquilo que agrada a muitas cabeças pensantes.

    Amigo, que tudo esteja bem contigo :)

    ResponderEliminar
  2. E é preciso não esquecer que toda a parte velha e bela de Faro continua a ser árabe. Proibiram os rebuços mas ficaram os xailes e lenços, para protegerem do frio e do calor e de algum olhar indiscreto todas as viúvas, de homens vivos, que andavam ganhando a vida por esse mundo fora.
    https://www.ualg.pt/home/en/content/viver-em-faro-0
    http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Faro-Arco-da-Vila-Fachada.jpg
    Vale a pena ver imagens desta linda cidade!

    ResponderEliminar
  3. Carlosamigo

    Isso é que eram tempos! E tipos (gajos, homens, machos)!

    Abç

    ResponderEliminar
  4. ~
    ~ ~ Não só pelo uso da burka ser uma barbaridade...

    ~ ~ Também é um ótimo disfarce para bandidos.

    ResponderEliminar
  5. Agradeço a partilha!
    Realmente não estamos assim tão afastados nem no tempo nem no espaço!

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
  6. Vai ver que foi a partir dessa proibição - abençoada - que começou a subir a saia e a baixar a bota! Daí à mini saia e ao topless na praia, foi um salto de andorinha...

    Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ainda bem, Janita!! Ainda hoje não resisto a uma saia bem curta...

      Eliminar
    2. Eheheh Por isso é que classifiquei a proibição de "abençoada". Graça!...

      Eliminar
  7. Pois é. Mas agora quem anda de tronco nu, de calções e de romanas, com unhas encravadas e suados são os homens, em qualquer lugar público. E as mulheres para chegarem às mini-saias tiveram muito que amargar e ouvir muito insulto. Isto também não foi há muito tempo, mas pelos vistos parece que ninguém tem memória.

    ResponderEliminar
  8. Posso roubar o comentário da Janita? :)))

    ResponderEliminar
  9. E que mais ainda iremos ver...Teimosas estas mulheres irão continuar...
    As vestes e as ordens dos homens de Alla irão respeitar.
    As leis do Algarve são para ignorar.

    ResponderEliminar
  10. Apesar da proibição, e também talvez por causa dela, os algarvios conseguiram "exportar" o uso do bioco para Angola, mais precisamente para a província do Namibe, antiga Moçâmedes, onde no início do século XX eram usados pelas mulheres dos primeiros colonos, na sua grande maioria originários de Olhão.

    ResponderEliminar
  11. Tudo às claras!!! É assim mesmo!

    É de biôco que deriva a palavra embiocado que é o estado do "nosso" PR...

    ResponderEliminar