segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Um ditador sem rosto

Foi a sociedade de consumo, do desperdício e do esbanjamento, que conseguiu a proeza de derrubar o muro de Berlim e desmoronar o bloco soviético.
O problema é que a sociedade de consumo, tal como a conhecemos até ao final do século XX, já não existe.Depois de se tornar global, dominar  o mundo virtual e os mercados financeiros, pretendeu globalizar a ideologia. Perdeu!
Talvez estejamos prestes a assistir à reconstrução de um outro muro a Leste. Erguido pelas políticas de austeridade que destronaram a sociedade de consumo e procuram impor o pensamento único. Com bastante mais sucesso, diga-se, porque utiliza o medo para dominar os povos, enquanto a sociedade de consumo "vendia" a ideia de que consumir era uma forma de liberdade. 
As pessoas acreditaram.  Entregaram-se nas mãos dos bancos, em troca de crédito "barato", julgando que estavam a pagar o preço de serem livres. Nunca perceberam que a liberdade prometida pela sociedade de consumo, não era mais do que uma nova forma de escravatura. Apenas mudaram de dono. O ditador em cujas mãos se entregaram, não se chama Obiang, Salazar, ou Kim il Sung. Chama-se Mercado mas, se lhe perguntarem quem é, responderá "Ninguém!".
Não tem rosto. Tem a capacidade de se metamorfosear em bancos, bolsas, índices, taxas de juro e acções que constituem o seu todo. Ninguém o vê, mas está presente na vida de todos nós. É Ele que impõe o pensamento único e dita as regras, seguidas pelos governantes ocidentais, de forma submissa.

5 comentários:

  1. Felizmente que não me entreguei nas mãos desse tirano, infelizmente estou a pagar as favas na mesma! :(
    Conclusão - mais valia ter entrado na farra! :)

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
  2. Tem rosto , pelo menos um e bem conhecido:o Banco judeu Goldman-Sachs , que - após ajudar a Grécia a falsificar contas públicas e enganar os seus próprios clientes - tem colocado em pontos cruciais de decisão os seus homens-de-mão.

    O reformado de Boliqueime, insigne economista que desempenha as funções de ministro sem pasta da coligação governamental PSD/CDS e vagueia pelos corredores de Belém, até condecorou postumamente António Borges, essa excelente e douta criatura que , do alto dos milhares de euros do seu fabuloso ordenado, exigia que se baixassem ainda mais os parcos ordenados portugueses!!

    Amigo, que não tenhas mais surpresas desagradáveis enquanto Bento se cala e Passos continua a banhos e nós temos , mais uma vez, que pagar as fraudes de uns e a incompetência de outros.

    ResponderEliminar
  3. Ditador sem rosto?Amigo Carlos de Oliveira,em Portugal,os rostos são por demais conhecidos:O Botas de Boliqueime,é o Chefe do gangue!O miserável do Passos,o líder operacional!Os borges,gaspares,moedas,relvas,portas,bentos,carlos costas,procuradorias gerais da República,juízes de direito e afins são os executantes de armas à cintura e milhões de mortos na contabilidade pessoal.

    Hoje,como à quarenta e um anos atrás o FASCISMO reúne-se à socapa e ataca pela calada da noite.

    O MONSTRO financeiro,que devasta Comunidades e destrói Países,só existe porque o LIXO humano enfatuado e engravatado o serve cegamente a troco de um prato de lentilhas.

    ResponderEliminar
  4. Tem muitos rostos, Carlos.
    Uns mais visíveis que outros.
    Porque aprenderam o jogo de sombras chinesas.

    ResponderEliminar
  5. Vi há uns anos um filme chamado: «A organização». Com Clive Owen e uma das frases que fixei do filme, dito por uma personagem que era político e candidatava-se a 1.º Ministro de Itália e que era assassinado durante a campanha eleitoral e que era mais ou menos esta: «O fim desta sociedade, é as pessoas e os países terem dívidas e não se livrarem delas». Foi cá um directo, que eu nunca mais esqueci.

    ResponderEliminar