segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Não há homens bons e homens maus


A semana começou mal para mim. Quando abri o e-mail, a mensagem de um amigo trazia acoplada esta imagem de um miúdo australiano a exibir a cabeça de um soldado sírio decapitado. 
Fiquei de tal modo transtornado que vomitei o pequeno almoço,- o que não me acontecia desde os tempos de miúdo. 
Pela hora do almoço,ainda mal refeito, encontro a história de Kokito. Desta vez já não vomito ( felizmente  ainda não tinha almoçado). Aproveito apenas para reflectir sobre este mundo de barbárie, primitivo e tosco, que está muito para além deste mundo ocidental  civilizado onde não se decapitam pessoas, mas se condenam milhões à humilhação de uma vida abaixo do limiar de pobreza. 
São duas formas diferentes de barbárie. A de Kokito, é religiosa. A do mundo ocidental é o mercado. Ambas têm um ponto em comum. O desprezo pela condição humana. A diferença- como nas faltas dentro da área, num jogo de futebol, está na intensidade. Em minha opinião, ambas são merecedoras de cartão vermelho ao infractor.
Não há homens bons e maus. Há homens. Uns alucinados por causas, religiões ou ideologias que lhes toldam o discernimento, em nome das quais cometem barbaridades contra outros homens seus iguais, que exibem como troféus. Apenas porque são incapazes de fazer vingar as suas causas  pela força da razão. O Ocidente está cheio de exemplos de fanáticos que entregam os seus povos em bandeja aos homens que controlam os mercados. E isso é que é uma grande merda!

13 comentários:

  1. O Carlos apenas se refere aos homens. Suponho que deve ser de opinião que se as mulheres governassem o mundo seria um lugar melhor para se viver…

    : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Houve tempo em que acreditei nisso, mas já me desiludi, Catarina. Há diferenças, mas são outras, como pode ler neste post que descobri por aí:
      http://apequenabonecadetrapos.blogspot.pt/2014/08/quando-os-negocios-correm-mal.html?showComment=1407780164135#c3072923300813747588

      Eliminar
  2. A desumanização a ganhar terreno à humanização...

    ResponderEliminar
  3. A Catarina tirou-me as palavras da boca...mas depois lembrei-me da nossa "amiga" alemã...
    Mas acredito que as mulheres fariam melhor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também me lembrei dela. E da Thatcher. E da Marilú...
      Depois li este post e apaziguei-me :http://apequenabonecadetrapos.blogspot.pt/2014/08/quando-os-negocios-correm-mal.html?showComment=1407780164135#c3072923300813747588

      Eliminar
  4. Infelizmente, as mulheres que chegam ao Poder imitam o modelo masculino!!

    caso contrário, saberiam fazer com que o mundo fosse mais habitável e humano.

    Não li a história de Kokito, porque tenho que preservar a minha sanidade mental: já me chega o cinismo de Obama, o genocídio dos palestinianos no gueto de Gaza, da arrogância e crueldade de Israel, da crise ucraniana por responsabilidade da UE,da escandaleira do BES , da pobreza franciscana da Famiglia ....

    Um garoto com uma cabeça nas mãos?! E australiano?! A que propósito? É filho e algum mercenário? ...

    Que a semana melhore, anogo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo na tendência mimética das mulheres, amiga.
      O garoto é filho de Kokito... mas fizeste bem em não ver, porque é bastante impressionante.
      Uma boa semana, amiga

      Eliminar
  5. Como gostaria de discordar de si... como gostaria de afirmar-lhe que essa foto é montagem... como gostaria que só houvesse homens HUMANOS...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, os Humanos parecem estar em vias de extinção.

      Eliminar
  6. Arrepiante, Carlos.
    E começa quase a ser vulgar :((

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O risco da banalização e a tendência para culpar apenas uma das partes, são coisas que me preocupam, Pedro. Neste conflito não há inocentes, porque o fanatismo nunca é inocente.

      Eliminar
  7. Fico arrepiado com este "admirável mundo novo"...

    ResponderEliminar