sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Bibó Porto (12): "A Menina Nua"


Na Avenida dos Aliados, de costas para Almeida Garrett e de frente para D. Pedro IV, existe  esta  estátua, da autoria de Henrique Moreira,  a que poucos visitantes do Porto terão prestado atenção.   
Conheço-a desde miúdo, sempre a conheci como “A Menina Nua”, mas nunca soube quem era. Confesso que também nunca me preocupei muito em saber. Era  assim que a estátua era conhecida no Porto e isso bastava-me. Aliás, aquela  auréola de mistério sobre a personagem  até me agradava. 
Desde o início do ano, quando iniciei o esvaziamento da casa que praticamente me viu nascer, comecei a sentir uma curiosidade inusitada por tudo que diz respeito ao Porto. Felizmente, em minha casa, abundam os livros sobre a história da cidade, seus monumentos e recantos. Tenho passado muitas horas, nos últimos meses, a folhear ao acaso esses livros. 
Numa noite cálida de Junho, deparei com um texto sobre a estátua da “Menina Nua” e descobri  finalmente a sua identidade.

Fiquei a saber que se chamava  Aurélia Magalhães Monteiro, nasceu no dia 4 de dezembro de 1910 na freguesia do Bonfim e era conhecida na juventude  por Lela ou  Lelinha e, mais tarde,   pela «Ceguinha do 9» (Cegou aos 43 anos e vivia num modesto rés do chão  do Bloco 9 no Bairro da Pasteleira)
Terá sido uma das mulheres mais apreciadas e cobiçadas do seu tempo  e tinha 21 anos quando fez de modelo  para Henrique Moreira, “ o que escandalizou muita gente”.
Já imaginou uma  «moçoila» no tempo «da outra senhora», a expor-se toda nua perante uns homens de tela e pincéis ou bocados de pedra, bem... era quase como ser comunista ou mulher da vida...” – disse Lela a Raul Simões Pinto
Fiquei também a saber que Aurélia, órfã de mãe muito cedo, começou a posar aos 18 anos com o mestre Teixeira Lopes, na figura-modelo da rainha D. Amélia, estátua  que se encontra  no Museu com o mesmo nome, em Vila Nova de Gaia. 
Inicialmente era muito envergonhada e tímida  mas, quando se tornou  modelo na Escola de Belas Artes do Porto, perdeu a timidez e confessa que se divertia ao ver que “ punha a cabeça dos jovens a andar à roda e os deixava com o corpo em fogo”
Foi também modelo de Acácio Lino, Joaquim Lopes, Dórdio Gomes, Sousa Caldas, Augusto Gomes e  Camarinha. 
Além da «Menina Nua», Lela  "está"  no Buçaco, no Cinema Rivoli do Porto, em Gaia, Lisboa e em Moçambique...
Faleceu no dia 2 de junho de 1992. A velhice não foi fácil, sobrevivendo com as ajudas do  Centro de Dia da Terceira Idade, ligado ao Centro Social da Pasteleira. O que mais lamentava, porém, era ter perdido a vista tão cedo.
Aurélia Magalhães Monteiro, a Lela, Lelinha, ou a «Ceguinha do 9» faleceu mas, para mim, continuará a ser  eternamente a «Menina Nua» da  Av. dos Aliados. Brilhando ao sol ou  envolta no nevoeiro citadino, entre Almeida Garrett e D. Pedro IV.
( Elaborei este post a  partir do  livro Pasteleira City, de Raul Simões Pinto – edições pé de cabra – Fevereiro de 1994)

8 comentários:

  1. Verdade o que dizes... não é que passe por essas bandas muitas vezes, e a pé mais raro ainda, mas não conhecia esta estátua!
    E acredita que me "apaixonei" por ela... e pela história que conseguiste apurar sobre a vida dela.

    A julgar pelo pelo "traço" do escultor, ela devia ter mesmo um corpo muito bonito.
    Não admira que deixasse "o corpo em fogo" àqueles que tiveram o privilégio de lhe admirar a beleza das formas.
    Quando voltar aos Aliados, vou estar atenta à menina nua!

    Beijinhos nus
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Há olhos que pela MALDADE que transportam, deviam de estar impedidos de olhar e fruir a candura e a beleza que a Escultura "A MENINA NUA" projetam no imaginário de qualquer Ser minimamente sensível às Artes.

    Henrique Moreira,imortalizou Aurélia Monteiro.Carlos de Oliveira,generosamente,dá, com este ato democrático,a possibilidade a muitos Portuenses e apaixonados pela Fantástica Mui Nobre E Invicta Cidade do Porto a oportunidade de saber mais sobre uma Mulher,Esculturalmente,Linda.

    "Beijinhos Nus" de "AFRODITE",é uma excelente Cinzelada.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Realmente não conhecia a verdadeira e muito interessante estória da “Menina nua”. Pensava ser uma “anónima” qualquer !
    Ora ela teria sido modelo por volta dos fins dos anos 20, anos 30 e até 40. Nesses anos (especialmente 20 e 30) a influência do regime salazarista ainda não se fazia sentir de uma maneira tão acentuada !
    No entanto, ainda nos anos 60 eu tinha amigos colegas que estudavam na Escola de Belas Artes do Porto e, eles e elas relatavam-me muitas peripécias (caricatas) lá passadas, nas aulas de desenho, pintura e escultura, com modelos homens e mulheres, ao vivo.
    Havia variadíssimos modelos contratados e essa “exposição do nu” era diária e corrente ! … mas nunca se falou dessa “Menina nua” que eu conheci na altura ! :))

    Abraço e bom fim de semana, Carlos ! :)
    .

    ResponderEliminar
  5. Não conhecia esta história e gostei muito. Sou mesmo muito curiosa sobre estes temas.
    Conheci e convivi muito com Sousa Caldas , por ser sogro de uma familiar nossa e naquele ambiente , escultura era um tema sempre presente , só que eu era muito jovem e não dava a atenção que mais velha passei a dar.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  6. Estive recentemente nos Aliados , vi uma série de estátuas, mas dessa não me lembro...

    Gostei de ficar a saber da estória, quando e se voltar vou ver se a descubro.

    Amigo meu, bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. Há 40 anos que conheço a estátua da "Menina Nua" e quando a vi, pela primeira vez e durante muito tempo, estava toda escura e cheia de verdete.
    Com a recente remoçada da Invicta, até a Menina está mais branquinha e bonita.

    A história da sua origem não conhecia e agradeço. Nada como guardar livros antigos! São tesouros...

    ResponderEliminar