terça-feira, 29 de julho de 2014

Os putos

Sem alaridos, praticamente ignorados pela imprensa não desportiva, os miúdos portugueses sub-19 apuraram-se hoje para a final do campeonato da Europa que se está a realizar na Hungria.
Com uma prova quase imaculada, venceram esta noite a Sérvia no desempate por grandes penalidades. 
Uma equipa que vale pelo colectivo, mas tem grandes jogadores. Como tinha a do ano passado que caiu nas meias finais perante a Sérvia ( que viria a ser campeã)  no desempate por grandes penalidades.
A maioria dos jogadores do ano passado é absolutamente desconhecida, mas alguns já jogam em equipas estrangeiras.
Este ano vai suceder o mesmo, certamente. Miúdos com talento ( cinco jogam na equipa B do meu FC do Porto, 3 na do Sporting e um na do Benfica) mas que serão tapados por outros miúdos estrangeiros e srrão obrigados a emigrar e reforçar equipas estrangeiras.
Estou à vontade para fazer críticas. O meu clube, que tem cinco jogadores nesta selecção ( todos titulares) preferiu ir buscar miúdos espanhóis a aproveitar os que tem em casa. Gostava de perceber esta lógica de desperdício, mas não entendo.
Talvez algum leitor me explique...

3 comentários:

  1. Os putos deram uma lição aos adultos, lá foram sem alaridos, até que conseguiram!

    ResponderEliminar
  2. Tu é que votas no PS, ou achas que o fenómeno desportivo é alheio à Lei Bosman dos eurototós, que abriu caminho a que os mais ricos vençam campeonatos e mundiais ao poderem contratar as vedetas e manter equipas inteiras a jogar dentro de portas como na Alemanha?

    ResponderEliminar
  3. «Gostava de perceber esta lógica de desperdício, mas não entendo.
    Talvez algum leitor me explique...»

    Vou tentar dar uma ajuda, até porque no meu clube, o Benfica, as coisas são mais ou menos iguais.

    Embora esses miúdos dêem provas do seu talento, de um modo geral (salvo raras excepções) ainda estão muito verdes para serem «lançados às feras», ou seja, para jogarem nas equipas «A». Assim rodam em clubes de menor dimensão em Portugal ou no estrangeiro, onde ganham calo, onde melhoram as suas capacidades físicas, técnicas e tácticas.

    A ideia de colocar míudos nas primeiras equipas é muito gira e simpática, mas quase nunca dá resultados imediatos, daí o procedimento costumeiro dos nossos clubes com os mais jovens.

    ResponderEliminar