quarta-feira, 11 de junho de 2014

Vox populi

Esta manhã, sentado na esplanada do costume onde agora já ninguém pede um cimbalino, escuto este desabafo:
"Botar no Seguro é  cumo dar uma caixa de fósforos a um pirómano no meio da floresta, c.....!"
Com este sotaque nortenho, a frase ganha uma expressão muito mais cativante!  

8 comentários:

  1. Se o sotaque do norte torna a frase mais cativante, não sei. Mas que é de alguém verdadeiramente atento, lá isso... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Encontrei por aí.
    Um Napoleão para as esquerdas?

    Se e quando o dr. Costa (por quem nutro muita estima pessoal e praticamente nenhuma política, e é desta que se trata) formar um "arquinho de governação" com o PSD (e eventualmente o CDS), depois de devidamente "expurgado" o dr. Passos - como pretendem os seus aliados bonapartistas social-democratas -, que irá o dr. Soares, o imaginário "federador das esquerdas", dizer? Costa nunca foi homem de "federações" ou de "abrangências": é mais do género "abraços de urso" e de enfiar crédulos e ingénuos no bolso. Foi assim com Guterres no falso duelo Costa/ministro da justiça e Sá Fernandes/secretário de Estado. Foi assim com Sócrates quando lhe exigiu o estatuto de ministro plenipotenciário de Estado no governo de maioria absoluta e, consequentemente, "a cabeça" do independente Campos e Cunha. Foi assim quando se fartou de Sócrates e o trocou por Lisboa. Foi assim, já em Lisboa, com os voluntaristas Sá Fernandes (irmão do outro), das ciclovias inviáveis, e Roseta, a ciclista. E foi assim, lamento dizê-lo, com Relvas por causa dos "terrenos do aeroporto", uma preciosa "ajuda" política nas derradeiras autárquicas na capital. Pobres "esquerdas", pois, as do dr. Soares nas mãos do seu valente Napoleão.


    Adenda: Entretanto o dr. Costa foi ao Porto oficializar o seu lance bonapartista. Na verdade, com a complacência da generalidade dos media e dos comentadores políticos, o lance já estava em marcha há muito. Espera-se, porventura em vão, que a mesma gente use agora da mesma "exigência escrutinadora" que aplica a Seguro. Fora o elogio do passado - a "visão estratégica" de Guterres e, sobretudo, o "impulso reformista" de Sócrates -, o "programa" de Costa recorda a fábula da rã e do boi. Oxalá não "rebente" de tanta trivialidade.

    ResponderEliminar
  3. Só o bom povo do Porto é capaz de uma tirada dessas, Carlos :))

    ResponderEliminar