quinta-feira, 26 de junho de 2014

Chamem-me tuga, que eu não me importo

Portugal mereceu ser afastado da fase seguinte do Mundial. Jogou sem chama, muitos dos jogadores ou não podiam arrastar as pernas, ou estavam ansiosos por terminar a época e não "deram o litro".
Houve também culpas de Bento na convocatória. Hélder Postiga, Raul Meireles e Pepe vinham de lesões prolongadas e não estavam em condições. Deixar de fora jogadores como Quaresma e insistir em Nani, que quase não jogou durante toda a época, foi outro erro de palmatória.
A verdade, porém, é que Portugal sai do mundial com razões de queixa da arbitragem. Se contra a Alemanha, a única coisa a apontar contra o árbitro, é não ter marcado um penalti claríssimo contra a Alemanha, quando o resultado estava em 3-0, já contra os EUA fomos muito roubados. 
Aos 18 minutos os americanos deviam ter ficado a jogar com 10, depois de uma agressão sobre ( salvo erro) Moutinho e com o resultado 1-1 foi-nos negado um penalti que poderia ter mudado as coisas. Esse foi o jogo chave e, se acho que não nos devemos desculpar com as arbitragens, a verdade é que também não podemos andar a fazer figura de parvos, como se nada tivesse acontecido.
A esta hora podíamos estar a pensar no jogo com a Bélgica, mas não sei se valia a pena prolongar a agonia.
Nota de rodapé: apesar de todos os erros e teimosias de Paulo Bento ( ele promete reicindir e não dispensar nenhum dos jogadores que levaram Portugal ao Brasil) se a alternativa for a que por aí corre com insistência ( Manuel José), o melhor é deixá-lo ficar. Como diz o povo, para melhor está bem, para pior já basta assim

6 comentários:

  1. A arbitragem neste Mundial tem sido muito má , sem dúvida.

    Mas Pepe, por exemplo, deveria ter sido irradiado do futebol aquando da agressão brutal sobre o jogador do Getafe, mesmo já no chão.Consequentemente, não deveria ser seleccionado sequer.

    Aliás, eu acho que tem mau carácter: Queiroz, nessa altura, protegeu-o e o que recebei do jogador quando saiu foi um chorrilho de críticas. Além disso, permite-se dar opiniões nada felizes acerca dos anteriores jogadores seleccionados.

    Bento é teimoso que nem mula empacada e se é para jogar com as mesmas criaturas nem vale a pena pré-convocatórias.~

    Não percebo como há tantas lesões nem o que foi a Selecção fazer para os EUA.

    Ronaldo depois de um jogo desastroso e antes de outro decisivo teve como preocupação maior um novo corte de cabelo (renovado no jogo contra o Ghana) e falhou golos de baliza aberta.

    E pode ir já para a política , pois primeiro afirmou que era o ano de Portugal e , depois, disse que nunca lhe passara pela cabeça grande futuro na Copa .....

    Enfim, há mais vida para lá dos futebóis, felizmente

    Serena noite, amigo

    ResponderEliminar
  2. Concordo. Foi uma pasmaceira ao fim e ao cabo.

    ResponderEliminar
  3. O Bento não fez boas escolhas e os escolhidos estavam mais para lá do que para cá. Tudo misturado deu este resultado :/

    ResponderEliminar
  4. O Manel Zé anda a fazer-se ao piso há que séculos!
    Fizeram o que puderam e o que lhes permitiram!

    ResponderEliminar
  5. Subscrevo inteiramente a sua peça.
    Acrescento o seguinte:
    - O Antunes e o Adrien deviam ter sido convocados, provou-se que o Quaresmo podia ter dado jeito.
    - O William de Carvalho e o Ruben Amorim deviam ter jogado logo de início contra a Alemanha ou pelo menos contra os EUA.
    - Os nossos avançados, à excepção do Éder a espaços, (já que é um jogador ainda muito verde, tem que crescer mais), revelaram-se umas reluzentes nulidades.
    - O Paulo Bento sabendo que os avançados pouco valiam, devia ter jogado sem avançado de raiz, com um meio-campo reforçado e com o Ronaldo mais adiantado. Mas como o Paulo Bento é um teimoso do caraças, foi o que foi.
    - Também não lembra ao diabo, a selecção ter ido fazer um estágio nos EUA. Apetece perguntar: Mas o mundial era nos EUA? Em vez de ir logo para o Brasil para adaptar os jogadores ao clima brasileiro.

    Para terminar devo dizer que com esta selecção em perfeitas condições, podíamos pelo menos chegar às meias-finais. Mas os «mínimos olímpicos» eram a passagem da fase de grupos. Como tal não foi atingido, a prestação da selecção foi negativa.

    ResponderEliminar