sexta-feira, 2 de maio de 2014

Obsessão

O governo vive obcecado pela perseguição aos restaurantes. Não é que não tenha razão. Como já aqui escrevi há tempos, é notório que a fuga ao pagamento dos impostos continua, mas seria muito útil que os fiscais das finanças, em vez de se concentrarem na árvore, olhassem para a floresta e percebessem que estão a perder demasiado tempo para apanhar pilha galinhas.
Há muito mais sítio onde escavar. Nem me refiro aos escritórios de advogados ou consultórios médicos, porque a esses é notório que o governo não pretende apanhar, caso contrário tê-los-ia incluído na lista, juntamente com cabeleireiros e oficinas de reparação automóvel.
Sugiro-lhes, por exemplo, que fiscalizem a facturação dos lares de idosos e dos operadores turísticos que arrebanham clientes nos aeroportos. Ainda há meses, na Madeira, pude constatar como as empresas turísticas fogem ao fisco. Quando exigi que me passassem factura por um serviço prestado ( e mal, por acaso...) olharam para mim como se fosse um OVNI. Ao fim de 24 horas, lá consegui que me satisfizessem a pretensão.
Há muito ainda onde sacar, senhores fiscais das finanças. Não fiquem obcecados apenas com os restaurantes, nem se fiem na factura da sorte. A propósito... quando é que os senhores se dispõem a emitir os cupões a que tenho direito? 


5 comentários:

  1. Eu gostava mesmo era dos advogados. Não só a simples fatura como a completa descriminação de serviços prestados. Seria tão, mas tão divertido ver as invenções que iriam alegar para a prática de preços tão exorbitantes baseados em manobras processuais, muitas vezes, com um enorme desconhecimento do Direito,

    ResponderEliminar
  2. Os politicos têm amigos, vizinhos, familiares que convém proteger.
    Pelos vistos nenhuns cabeleireiros ou restaurantes bemcomo oficinas, quer-me parecer.

    Com as restrições nas deduções da saúde é ver os médicos a sorrirem...pudera.
    Voltaram ao antigamente,já não lhe pedem recibo.

    Uma vergonha.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Temos um governo de classe, e como tal eles atacam sempre onde não "belisque" os seus...

    ResponderEliminar
  4. Se a ideia é vir a ser consultor do Ministério da Finanças, esqueça
    pois a bicha é imensa

    já há até conselho para que os calceteiros-marítimos passem a emitir facturas...

    ResponderEliminar
  5. Acho que o BE é que vai "bazar" agora que não têm o Louçã nem os professores ressabiados com a Maria de Lurdes Rodrigues para votarem neles1

    ResponderEliminar