quinta-feira, 1 de maio de 2014

O dia em que o Rei fez anos


Nos tempos em que os reis mandavam, numa noite escura, à entrada de dezembro, o rei veio à varanda do seu iluminado palácio e reparou que a cidade estava escura como breu.
Chamou o seu primeiro-ministro e ordenou-lhe:
- Antes do natal quero ver a cidade toda iluminada. Toma lá cem contitos e trata já de resolver o problema.
O primeiro-ministro chamou o presidente da câmara e ordenou-lhe:
- O nosso rei quer a cidade toda iluminada ainda antes do natal. Toma lá 50 contos e trata imediatamente de resolver o problema.
O presidente da câmara chama o chefe da polícia e diz-lhe:
- O nosso rei ordenou que puséssemos a cidade toda iluminada para o natal. Toma lá 20 contos e trata imediatamente de resolver o problema.
O chefe da polícia emite um edital a dizer:
"Por ordem do rei em todas as ruas e em todas as casas deve imediatamente ser colocada iluminação de natal.  Quem não cumprir esta ordem será enforcado".
Uns dias depois o rei veio à varanda e, ao ver a cidade profusamente iluminada, exclamou:
- Que lindo! Abençoado dinheiro que gastei. Valeu a pena.!!!!

7 comentários:

  1. Mas agora o rei não chega a dar nada e ainda tira! :(

    ResponderEliminar
  2. ~ Muito interessante!
    ~ É mermo assim: todos se governam e o povo paga!
    ~ E, já vem do tempo em que os reis mandavam!
    ~ Quando vamos conseguir impor auditorias ao governo?

    ResponderEliminar
  3. Já nesse tempo, de reinados distantes, o dinheiro que devia ser usado para uma determinada causa, ficava diluído pelo caminho...e quem pagava era o Zé Povinho!!

    Maria
    ( que não vai com as outras.)

    ResponderEliminar
  4. Qualquer semelhança entre a realidade e a ficção, não é pura coincidência... É a verdade e a desonestidade reinante, perdão, governante!

    ResponderEliminar
  5. Não sei
    a que propósito vem este rei

    mas tá bém
    ou muito me engano ou o rei não deu dinheiro nenhum, apenas inscreveu a verba no orçamento

    ResponderEliminar
  6. Já conhecia.
    Mas dá sempre para rir.
    E para adaptar a outras situações.
    Aquele abraço e votos de bfds

    ResponderEliminar