sexta-feira, 9 de maio de 2014

Jantar em silêncio ( Actualizado à hora da sobremesa)

Parece que no dia 25 a Lagarde, o Barroso e o Draghi só vêm para jantar. O seminário só começa no dia 26. Tudo bem. Agora fico na expectativa de ver como se comportará a comunicação social portuguesa nesse dia, quando o trio aterrar na Portela...
Enquanto aguardo e  a esquerda protesta, registo o silêncio do PS. Quem cala consente?
Em tempo: hoje, às 22h57m o JN publica esta reacção do PS. Chegou à hora da sobremesa. Mais vale tare do que nunca)

5 comentários:

  1. Porque nem no link tal é referido, trago-a aqui

    "Nota do Gabinete de Imprensa da CDU
    Protesto dirigido à Comissão Nacional de Eleições sobre a Conferência promovida pelo BCE
    Quarta 7 de Maio de 2014

    A realização de uma conferência denominada «Política monetária num contexto financeiro em evolução» promovida pelo BCE, com início agendado para o próximo dia 25 de Maio, constitui uma grosseira violação dos princípios de neutralidade e garantia de igualdade que tem de ser assegurada em período eleitoral.

    Não se trata já de ajuizar sobre o significado político que envolve uma iniciativa que, em si mesma, só pode ser vista como um acto de ingerência vindo de quem não olha para o nosso País como um Estado soberano.

    Trata-se sim, e em substância, para os efeitos de intervenção da Comissão Nacional de Eleições, de rejeitar que no dia das eleições e num momento em que desde a véspera todos os partidos, instituições ou pessoas estão proibidos de promover acções de campanha, se tencionar realizar uma iniciativa que em si mesma é uma descarada invasão do período de votação que a lei assegura e protege.

    Um debate que pelo seu conteúdo, participantes e enquadramento não só não é separável de questões centrais que marcam a actualidade política e o debate eleitoral, como se inserem claramente num processo de ampliação de argumentos de uma das principais candidaturas.

    Não colhem argumentos como aqueles que a partir da observação formal da hora de iniciativa (coincidente com o período final da votação) visam iludir o inevitável peso na informação e na promoção da mesma em todo o período anterior. Ao que ainda se deve acrescentar que a admissibilidade desta iniciativa corresponderia ao estímulo de procura de uma miríade de outros expedientes para objectivamente violar a legislação em vigor.

    Face ao exposto reclama-se uma pronta intervenção junto dos promotores de modo a não permitir a sua realização."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Refiro aqui os protestos da esquerda, Rogério. Só não fui mais explícito, porque já há dias tinha feito alusão aos protestos da esquerda noutro post. De qq modo, obrigado pela citação, Rogério

      Eliminar
  2. ~ ~ Seguro propõe outra solução, "à Lagardère"?!

    ~ ~ Creio que não passam de boas intenções...

    ~ ~ Nós desesperamos à espera que Seguro se resolva.

    ResponderEliminar
  3. Há que dar o benefício da dúvida. Os rapazes não gostavam do 'prato'.

    ResponderEliminar
  4. Este país anda sem rei nem roque! :(

    ResponderEliminar