segunda-feira, 26 de maio de 2014

E a figura europeia destas eleições é...



Se no panorama nacional  destaquei  um nome de algum modo ligado a uma franja da esquerda, no plano europeu o destaque vai para uma figura tenebrosa  da extrema direita.
Apesar das divergências entre os paridos de extrema-direita europeus, a vitória em França pode vir a confirmar  Marine Le Pen  como  líder da extrema direita europeia, com um peso demasiado importante, para ser ignorado.  E há razões para acreditar nessa possibilidade.
 Os  26%  obtidos por Marine  Le  Pen  não seriam suficientes para reclamar  dissolução da Assembleia e eleições antecipadas, se  Hollande não tivesse tido uma derrota humilhante,  que deixou o PSF reduzido a menos de 15% do eleitorado!  Perante a  pressão que se antevê nas ruas, dificilmente Hollande conseguirá evitar a antecipação do escrutínio. Se Marine Le Pen vier a confirmar em legislativas, a vitória obtida nas europeias, terá fortes argumentos para  propor a união da extrema-direita europeia numa só família. O seu grande opositor será  Nigel Farge, líder do UKIP  que venceu as eleições no Reino Unido.  De qualquer modo,  a oportunidade de enfrentar  o poder de Merkel e colocar definitivamente em causa a moeda única e a UE, deverá ser suficiente para que Nigel Farge ceda aos argumentos de Le Pen, que terá no holandês Wilders ( líder da extrema direita) um aliado de peso.
Breve nota para o primeiro ministro italiano ( não eleito, recorde-se)  Matteo Renzi  que levou o PD a uma vitória esmagadora, que reduziu o partido de Beppe Grillo  e o Fuerza Italia de Berlusconni a papéis secundários.
Na Grécia, a vitória do Syriza de Alex Tsipras ( que ninguém sabe propriamente o que é ideologicamente)  merece igualmente destaque, mas o terceiro lugar do Aurora Dourada  ( à frente do PASOK) é aterrador!


7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei, eu sei, que o Carlos prefere a sereia loira francesa à minha amiga Angie.
      BOM PROVEITO!!!

      Na Grécia, a vitória do Syriza de Alex Tsipras, mesmo que o Carlos não saiba propriamente o que é ideologicamente, é uma brisa fresca, sempre melhor do que um Seguro ou um Hollande e... muito melhor do que os socialistas gregos que ainda não mais corruptos do que os portugueses!!!

      Numa entrevista o Alex Tsipras disse que não vai colocar em causa a moeda única e UE, mas vai lutar contra a austeridade.

      Eliminar
    2. Espero que esteja a brincar, quando diz que prefiro Le Pen a Merkel, caso contrário, a conversa fica por aqui...
      Embora não encontre grande diferença entre as duas ( Merkel só é mais dissimulada) sei que Merkel é a principal responsável pela ascensão da extrema direita na Europa.
      Quanto ao Syriza sei bem que é uma lufada de ar fresco, mas isso não significa que as pax saibam ( se a Ematejoca souber será uma das poucas pessoas na Europa com esse dom) qual é a sua ideologia, porque aquilo alberga tantas tendências que é difícil descortinar para onde quer seguir.

      Eliminar
    3. Uma Europa mais social seguramente dificultaria a vida dos grupos de direita, mas acusar a minha amiga Angie...

      Eu sei o que significa pax, mas não neste caso.

      O futuro da Europa tem de estar nas mãos de jovens como um Alex Tsipras ou um João Ferreira, e não nas mãos de políticos do velho discurso.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Se tiveram votações expressivas e em França até ficaram na frente, irónico não é? Não me parece que sejam assim tão «minoria».

      Eliminar
  3. Marinho Pinto não me assusta minimamente.
    Marine Le Pen faz-me tremer!
    Ela e tudo o que ela representa

    ResponderEliminar