quinta-feira, 3 de abril de 2014

Traumatismo (u)craniano

Em Dezembro, escrevi que percebia as razões da luta dos ucranianos pela adesão à UE, mas tinha a sensação de que estavam a apostar no cavalo errado.
Parece que não me enganei. Ainda a procissão vai no adro e já os ucranianos começam a sentir na pele os efeitos de uma luta que foi habilmente aproveitada pela direita ucraniana mais extremista, para se apropriar do poder.
Moscovo reagiu e aumentou 40% o preço do gás.
A UE e o FMI aceitam conceder um empréstimo de 15 mil milhões de euros a Kiev mas, para começo de conversa, exigem que além de cortes nos salários, o governo corte as pensões em 50%.
Entretanto, na Crimeia, Medvedev anunciou que Moscovo irá aumentar as pensões e os salários dos funcionários públicos e diminuir a carga fiscal.
Obviamente que é demagogia de Moscovo mas, enquanto a vida do povo da Crimeia melhora, os ucranianos vêem os impostos a aumentar, os salários e as pensões a diminuir e a economia em risco de colapsar, provocando o aumento dos números do desemprego. Ora, em termos imediatos, faz toda a diferença e não tardará até que muitos ucranianos comecem a olhar de soslaio para a Europa. 
O Kremlin está a dar baile a Bruxelas. Ouve-se muito ranger de dentes, quando os eurocratas se reúnem para debater as condições de apoio a Kiev.

4 comentários:

  1. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
    Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.

    ResponderEliminar
  2. E eles podem, os russos, usar esta estratégia...
    Se não podem ir, nem é desejável que vão, para uma guerra real para conquistar a Ucrânia, usam as suas "armas" económicas.

    ResponderEliminar
  3. Por acaso foi o que pensei quando li a notícia, Carlos.
    Que bela maneira de dar as boas vindas a alguém esta que a UE teve para com a Ucrânia!!

    ResponderEliminar